quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Alte Pinakothek (Munique)

Se eu não viesse aqui fazer propaganda (gratuita!) dos museus de Munique, então vocês não me reconheceriam mais! Sempre que viajo para cidades européias procuro pesquisar o que existe em termos de museus e exposições de qualidade ou que só pode ser vista nesse lugar. E Munique, como uma cidade européia de arte e história, não poderia ser diferente. As opções são inúmeras e existe para todos os gostos!
Eu não poderia deixar de visitar a Pinacoteca, e como ela fecha no 1º de janeiro e na véspera, então mal desembarcamos, deixamos as mochilas no hotel, e fomos correndo para lá!

A Pinacoteca se divide em 3 museus: Alte Pinakothek (Antiga Pinacoteca), Neue Pinakothek (Nova Pinacoteca) e Pinakothek der Moderne (Pinacoteca Moderna). São prédios diferentes e podemos escolher o ingresso para uma só visita ou para todas. Começarei por uma delas, para mim a principal, e falarei das outras mais tarde.

Alte Pinakothek
Uma das mais importantes coleções de pintura dita "clássica" do planeta, do mesmo nível do museu do Louvre (Paris) e do Museu do Prado (Espanha). São milhares de peças, desde os primitivos até o final do século XVIII. Alguns motivos irresistíveis para visitá-la:

Essa Virgem Maria com o Menino Jesus de Leonardo da Vinci, uma obra da sua juventude (21 anos) e a primeira da qual se tem registro). 

Rafael continua sendo o meu queridinho... A delicadeza de suas pinceladas e o resultado em rostos e expressões emocionantes... Além disso, cada vez que leio e aprendo mais sobre a sua vida, admiro mais! Aparentemente era alguém muito apreciado por todos, simples e modesto, ao contrário de seus colegas Michelangelo e Leonardo da Vinci, que dizem que era pretenciosos, arrogantes e se consideravam os melhores!!!

Impressionante auto-retrato do alemão Albretch Dürer, uma de suas obras mais conhecidas, mas não é só por isso que ele é um mestre: matemático, reconhecido e respeitado igualmente por suas incríveis gravuras. Fiquei arrepiada e vários minutos hipnotizada admirando essa obra, que nos seduz de forma inexplicável. Tive que arrancar Sylvain da sala, caso contrário ele ficaria até o fechamento do museu, sem ver o tempo passar!


Lucas Cranach (outro alemão), pintor e gravurista da renascença alemã. 

 O holandês Rembrandt, mestre do Claro-Obscuro.

Entre os flamengos, uma sala esplêndida com dezenas de obras de Rubens:

Bruegel Pai

E Bruegel Filho


Esse lindo quadro da marquesa de Pompadour, por François Boucher (1756)
A marquesa  de Pompadour foi amante do rei francês Luís XV. Considerada uma mulher muito bela, elegante, culta, tocava e cantava maravilhosamente bem... Apenas qualidades! Esse quadro foi pintado logo após o rompimento com o rei. sempre acompanhada de sua cachorrinha Mimi.

Não esqueci não, mas vai ficar muito longo se eu falar de Botticelli, Ticiano, Greco, Velasquez, Rogier van der Weyden, Altdorfer, Hans Menling, Poussin, Fragonard...

 O audioguia é incluído no preço da entrada, basta solicitar. Não tem em poruguês, mas em inglês, francês e alemão (claro). Não perguntei sobre as outras línguas.
Ao fundo a Pinacoteca antiga e uma escultura de Henry Moore 
(vista de trás, pois ela fica na frente da Nova Pinacoteca!)

Consegui convencê-los a dar uma espiadinha?

6 comentários:

Jorge Fortunato disse...

Claro que conseguiu! Conheci Cranach em 2010 e bati os olhos e lembrei da exposição que visitei em Roma na Galeria Borghese com quadros desse pintor.

Mulher de Fases disse...

Eu tenho muita vontade de ir a Alemanhã, não importa onde.
Eu também gosto de pesquisar e refletir sobre os locais que eu poderei ter a oportunidade de conhecer na cidade que vou fazer turismo, fica mais fácil né??

Fiquei surpresa pelo fato de vc poder ter tirado fotos das obras, a maioria dos museus proíbem. Deve ter sido um dia divertidissímo!

bjo

Tatiana disse...

Nossa Mi...que maravilha, voce falou de pintores que (ups) eu nem conhecia....venho aqui e sempre aprendo, adoooro!!!
Nao vejo a hora de dar uma boa passeada com marido por essas bandas dai...tanta cultura!!!!
Um super 2012 pra voce!!
Beijocas!!

Milena F. disse...

Jorge, Cranach tb conheci há pouco tempo, quando cheguei aqui na França...

Deborah, na maioria dos museus podemos fotografar as obras da coleção permanente. Sem flash, claro. Ainda mais as mais antigas, pois já "perderam" os direitos de autor... Com obra contemporânea geralmente não rola! Mas nas exposições temporárias não pode, pois o museu teve todo um trabalho de pesquisa e busca das obras para apresentá-las de uma determinada forma que nunca foi antes apresentada. E eles querem é vender o guia da exposição!

Tatiana, a gente vai vivendo e descobrindo... Muita coisa aprendi mesmo aqui na França, antes conhecia apenas o básico do básico... Que bom poder estar contribuindo na transmissão do conhecimento!!! kkk

Vanessa B. disse...

Milena, em novembro comprei um livro que conta a historia de algumas obras de arte. O livro é dirigido aos adolescentes, logo a linguagem é bem simples, e acessivel ao grande publico. Uma das pinturas que ele analisa é justamente o autoretrato de 1500, de Albrecht Durer. Eu adorei o livro e ele esta me ensinando a ver as telas de uma outra maneira. Ele se chama "Petites Histoires de Chefs d'oeuvre", editora "De la Martinière Jeunesse". O livro é recente mas acho q ele ja deve estar disponivel nas bibliotecas francesas. Enquanto nao conheço o autoretrato original vou aprendendo a decifra-lo pelos livros. Bjs.

Milena F. disse...

vanessa, falarei ao meu marido desse livro, de repente ele vai poder usar com as crianças!!! Excelente dica!