quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Trabalhar na França

Muitas pessoas chegam ao blog em busca de informações objetivas sobre o trabalho na França e acabam frustradas, então desta vez resolvi tentar explicar de forma mais objetiva.


Antes de aceitar uma proposta, é importante saber:
- tipo de contrato
- carga horária semanal ou dias trabalhados por ano
- salário e benefícios

Informações práticas:

- Para trabalhar na França é necessário ter a nacionalidade de um dos países membros da Comunidade Européia OU ter uma permissão (carta de séjour ou de résident) que autorize a trabalhar no país.

- A busca por emprego se faz deixando seu currículo disponível nos diversos sites de vagas de emprego, enviando diretamente às empresas (de preferência pela internet, mas vale pelo correio ou se apresentando pessoalmente em alguns casos, como lojas, restaurantes, hotéis, por exemplo, que sempre estão buscando alguém)

Tipos de contrato
  CDI: contrato por tempo indeterminado. Quer dizer que após o período probatório, para ser demitido é muito difícil, a não ser em caso de problema grave e em caso de dificuldades financeiras da empresa.

- CDD: contrato por tempo determinado, que significa que tem data para começar e para terminar! Pode ser menos de 1 mês, pode ser 6 meses ou mesmo 1 ano!!! Na teoria esse tipo de contrato existe para quando a empresa não precisa aumentar seu quadro de funcionários indefinidamente, mas em casos específicos (licença maternidade, férias, licença formação, doença, aumento de atividade temporária como Natal). Ao final do contrato, a empresa pode propor um CDI (pela lei quem está em CDD tem prioridade), ou pode ainda renovar o CDD.
Existem muitos contratos de "intérim", que são como CDDs (com data de inicio e fim), mas o empregador é uma empresa terceirizada, ou seja, uma agência de intérim. Eh uma forma de entrar no mercado de trabalho.

Carga horária semanal
Um tempo completo é de 35h, geralmente dividido em 5 dias de 7 horas de trabalho. A pausa para almoço não é inclusa no tempo de trabalho efetivo. Porém já vi muitas ofertas de trabalho para 39 ou 42h
Para cargos de chefia ou de carater mais especializado (cadre ou agent de maîtrise), geralmente eles contam 39h por semana na teoria, mas na prática não se tem hora para terminar... O funcionário tem prazos para terminar suas tarefas e os mais conscienciosos trabalharão até mais tarde ou levarão trabalho para casa. Esse assunto já gerou muita controversa, e andei perguntando a todo mundo que eu conheço sobre isso.

Milena: - D., você quase nunca consegue sair do trabalho antes das 20h. Quem te disse que tinha que trabalhar todas essas horas?
D. : Ninguém me disse, cada um gera as suas atividades, mas quando você vê que às 18h nenhum colega ainda deixou a sua mesa e que ainda resta muita coisa atrasada, você não quer ser o primeiro a partir e ficar "mal-falado".

Vejo também na minha empresa pelos e-mails que recebo, alguns bem tarde da noite, outros bem cedo da manhã...




São muito comuns os "tempos parciais", pessoas que trabalham 30h por semana, 20h, 10h ou menos... Acho muito bom para quem é estudante ou para quem quer, assim permite ganhar um dinheirinho, mas infelizmente se têm multiplicado esse tipo de contrato e muitas pessoas não têm escolha. Na teoria, assim que se libera uma vaga em 35h, quem está em tempo parcial seria prioritário...

Férias

São 5 semanas por ano, que podem ser tiradas separadamente. Cada empresa tem as suas regras e também existem as convenções coletivas.
Por exemplo, na minha empresa eles NUNCA dão mais de 3 semanas consecutivas de férias. Eu gosto de tirar 3 semanas no verão (bom para fazer uma viagem longe como é o caso do Brasil e foi a China), depois 1 semana no inverno (muita gente faz o mesmo, para esquiar ou fugir do frio em algum país quente) e 1 semana na primavera. Igualmente na minha empresa, pela atividade principal, em algumas datas eles não autorizam férias de jeito nenhum, como é o caso de metade de novembro até o Natal e o mês do Dia das Mães.

Para os "cadres" dos quais falei mais acima, eles beneficiam igualmente de dias de folga, que são chamados RTT (redução de tempo de trabalho). O cálculo é complicado, depende dos dias úteis do ano e do contrato, mas geralmente fica entre 8 e 12. Porém para usufruir desses dias de "folga" cada empresa tem as suas regras. Temos amigos que acumulam tudo, já outros que a empresa autoriza 1 RTT por mês. Na minha podemos acumular 3 RTTs, mas não podemos acumulá-los com férias, por exemplo. Ali eles não gostam que passemos muito tempo longe da empresa.

Salário e benefícios

O salário mínimo para 35h por semana fica em torno de 1120€ líquido em 2013 (retirando os descontros). Quando vemos o salário bruto, um bom cálculo é retirar 22% para saber quanto receberemos de verdade.
Porém vale lembrar que ao contrário do Brasil, o imposto de renda não é descontado em folha de pagamento!!! Ou seja, o IR é pago separadamente, uma vez por ano, ou então podemos entrar em contato com o centro de impostos mais perto de casa e solicitarmos a mensualização (o que particularmente prefiro, para não pagar toda a bolada de uma vez).

13º salário não é previsto em lei, como no Brasil. Algumas empresas o fazem, mas resta uma minoria. Meu marido que é funcionário público não tem 13º salário, e eu também não. Mas no meu caso beneficio de participação nos lucros, o que tem sido interessante, já que até o momento a empresa vai bem.

A empresa deve pagar 50% do transporte do empregado. Mas caso o mesmo utilize seu veículo pessoal, não é previsto o pagamento pela empresa(mas podemos descontar no imposto de renda). Algumas empresas podem ter uma verba para o combustível, mas geralmente é quando se utiliza o veículo no contexto do trabalho.

Algumas empresas disponibilizam aos funcionários um "plano de saúde", que aqui na França se chama Mutuelle, e geralmente é mais interessante fazer com a empresa do que fazer por si mesmo. Eh muito importante ter uma "Mutuelle" pois somente uma parte dos gastos com a saúde são pagos pela saúde pública. O restante, quem não tem uma mutuelle tem que pagar do seu próprio bolso. Consultas, medicamentos e exames simples não são um problema, pois são realmente muito baratos (comparando com o Brasil), mas em casos mais complexos os preços são absurdos, como uma diária em UTI (somente a parte que não é coberta pela saúde pública pode ultrapassar os 2 mil euros por dia... então imagine 10 dias em UTI...)

Outras peculiaridades

- Em caso de afastamento do trabalho por doença, são previstos 3 dias de carência em que o funcionário não é pago. Se por um lado evita que a pessoa falte ao trabalho por qualquer bobagem, prejudica quem realmente está doente, no meu ponto de vista. Sem contar que os médicos acabam sendo condescendentes e ao invés de dar 3 dias de repouso por uma gripe, acabam dando atestado pela semana inteira!!!

- Licença maternidade: 16 semanas, mas conta a partir do momento em que deixou de trabalhar (geralmente 6 semanas antes do parto) e as semanas seguintes após o nascimento do bebê. A licença aumenta em caso de gêmeos (ou mais), ou caso a gestante já tenha outros filhos. A não ser  que o médico coloque como doença... E geralmente os médicos são mais uma vez "parceiros"... Na minha empresa, nunca vi uma colega trabalhar além dos 5 meses de gravidez, e olha que tem umas 50 grávidas por ano!!! Vai me dizer que TODOS os casos eram gravidez de risco que exigia repouso absoluto?

- Licença parental: para um filho, pode ser remunerada durante 6 meses, ou até 3 anos da criança quando é o segundo filho ou mais. Apesar do valor da licença ser bem baixo, para algumas famílias ou salários baixos pode compensar, tendo em vista que aqui na França pagar uma babá custa muito caro.


- Jornada de solidariedade: 1 vez por ano temos que trabalhar gratuitamente para que o dinheiro seja revertido aos cuidados com os idosos. A cada ano a data muda, mas é sempre em um feriado. Quando é possível trabalhar no feriado, o funcionário trabalha sem ser pago, mas quando não é possível (a empresa não tem atividade/ não abre nesse dia), temos que colocar esse dia como férias ou RTT.

Espero que essas explicações tenham ajudado a deixar mais claro o universo do trabalho na França.

* existem algumas diferenças entre o que é regra na França e uma legislação em vigor na região da Alsace-Moselle. Pode ser mais avantajoso viver e trabalhar na por lá!!!

40 comentários:

Ana Maria Brogliato disse...

Oi Milena, achei muito interessante saber sobre isso. No meu caso, por pura curiosidade, adoro a França, quero voltar, mas só como turista, hehehe...

Tenho uma amiga brasileira, também casada com um francês, que mora em Paris (arredores) há quase 15 anos.
Ela começou trabalhando numa empresa (de aposentadoria para militares, ou algo assim) fazendo a licença maternidade, férias, etc. Ficou alguns anos nessa, até que uma funcionária se aposentou e a efetivaram.

Beijos
www.viagensebeleza.com

Tatiane disse...

Não sei se é mais avantajoso viver na Alsace , pois acho que é uma região um pouco cara pelo que oferece.. Mas temos sim a vantagem da securité cobrir 90% e os dias de trabalho são cobertos pela empresa....

Ah é a região Alsace-Moselle que possui esta pequena vantagem..

Sobre gravidez acho que se voce diz ao medico que ta cansada ele te afasta do trabalho, bom fazer o que né... vi o caso de uma menina agora saiu muito antes alegando cansaço..

Beth Blue disse...

Estranho você escrever um post sobre emprego na França e não comentar que o país tem agora a taxa de desemprego mais alta deste o início da crise do Euro!

Aqui na Holanda não é diferente, muita gente desempregada, muita gente procurando emprego e poucas vagas disponiveis....eu estou tentando arrumar emprego há anos e só rola estágio e trajetos não pagos (a minha idade também atrapalha).

Sinceramente, eu acho este post meio "surreal" mas sei lá, vai ver se a pessoa consegue um contrato de trabalho ainda no Brasil? Eu tenho lido mesmo é de gente voltando para o Brasil (principalmente os brasileiros que moram em Portugal e Espanha, onde o desemprego ainda é mais grave).

Enfim, só dando meu piteco...

Beth Blue disse...

Só pra deixar registrado, o índice de desemprego oficial na França é de cerca de 10%, o que corresponde a milhões de franceses...aqui na Holanda o mesmo índice é de 8% com previsão de aumento em 2014.

Ou seja, eu não quero ser estraga-prazeres mas eu não recomendo a ninguém vim pra Europa procurar emprego a menos que seja um CRAQUE (EXPERT) na sua área, menos de 30 anos de idade e um cv excepcional...estes geralmente tem a sorte de já virem empregados!

Desculpe se falei demais mas não deu pra deixar passar mesmo :-(

Milena F. disse...

Beth, realmente o desemprego é grande, tudo depende da região e das áreas de atuação.
O "objetivo" era ser mais objetiva sobre as leis trabalhistas aqui e os direitos dos trabalhadores, sem entrar nesses detalhes se é fácil conseguir uma colocação ou não.

Mas por outro lado, na região de Paris eu digo que emprego sempre tem em cargos mais simples (restaurantes, lojas, babá, faxineira, etc), mas aí nem é todo mundo que quer e tem gente que a empresa não quer de jeito nenhum...
Vejo pela minha empresa, tem sempre vaga aberta para vendas (o ambiente de trabalho é bom, as condições também), mas nunca conseguem preencher as vagas. E o ano todo tem gente indo embora pois conseguiu "coisa melhor" (mesmo que se arrependam depois). Dizem que a melhor astúcia para se conseguir um emprego... é já ter um!!!

Julho e agosto foi horrível, não conseguimos preencher nem 50% das vagas de verão!
E se alguém me pede para indicar a minha empresa, vou pensar muito em cada caso individual, pois já indiquei algumas pessoas que fizeram tanta bobagem que sou bem mais cautelosa.

Agora mesmo está abrindo um enorme centro comercial perto do aeroporto CDG, em uma região em que o desemprego é considerado altíssimo, assim como o nível de "pobreza". E as empresas não conseguem recrutar. Aparecem pouquíssimos candidatos, e quando aparece as pessoas não sabem nem se expressar educadamente...

Sofia disse...

ola, vou para frança em setembro mais propriamente nos arredores de paris, tenho lá família, sou licenciada em serviço social, mas já sabemos que as coisas em Portugal estão complicadas. Não espero arranjar trabalho na minha área, ao menos enquanto não dominar bem o francês a nível da fala, porque percebo perfeitamente tudo mas falar ainda tenho de praticar mais um pouco :) portanto vou trabalhar no que houver sem problema nenhum, espero que realmente consiga arranjar algo e rápido :) por acaso tenho a sorte de ter já casa e família ai para me orientar, gostei de ler este post porque me deu um pouco de esperança de que realmente há trabalho para quem quer trabalhar! obrigada

raquel disse...

ola sou portuguesa tenho 29 anos e estou a terminar curso esteticista cosmetologista no final do ano , tenho bastantes conhecidos em paris e estaria a pensar acabar curso e ir mesmo para frança , queria uma opiniao na minha area estetica acha que arranjarei facil ? e a nivel de aluguer onde arranjar depois podes me dizer se souberes .

Milena F. disse...

Raquel, nessa área de estética/cosméticos ainda sempre têm oportunidades de trabalho por aqui, principalmente em cidades grandes como Paris. Se você tem amigos e conhecidos por aqui será mais simples, mas vale lembrar que para trabalhar nessa área é importante conseguir se virar em francês se não quiser trabalhar somente com portugueses. Sobre os aluguéis, em Paris mesmo é caro, melhor procurar inicialmente na periferia da cidade, em alguma cidade com facilidade de transportes.

Tati do Vale disse...

Oi Milena, sou arquiteta e apaixonada por paris.... Gostaria de dicas ou indicações sua para minha área. Pode ser um trabalho temporário tmbm! Bjs

Joice Guedes disse...

Olá Milena, Gostei bastante do post, parabéns.
Estou namorando um francês há três anos e decidimos que ano que vem vou passar a morar na França.
Ano passado passei seis meses estudando na ESSEC e gostei de estar aí mas questão do desemprego é algo que me deixa realmente reticente em relação à viagem.
Pensei em procurar agencias brasileiras que pudessem facilitar minha ponte com empresas. No Brasil sou estagiária na área de logística.
Durante o tempo em que estive na escola de comércio eu estudei somente em francês mas acho que para minha área ainda cometo muitos erros linguísticos.
Você acha que vale a pena ter um subemprego para melhorar a língua antes de procurar algo na minha área?

Obs.: Tenho 25 anos e me formo em administração este semestre.

Milena F. disse...

Joice, lendo as estatísticas podemos nos assutar com o desemprego, mas na verdade ele não é o mesmo em todas as regiões da França nem para todas as áreas.
O mais difícil é quando chegamos aqui e não temos networking nem experiência comprovada no local. Uma opção é procurar empresas brasileiras ou com relações com o Brasil, mas se a gente se fixa só nisso, pode perder outras oportunidades.
Você me pôs uma questão sobre "subemprego", tudo depende do que é "subemprego" para você e até onde você disposta a ir para encontrar um emprego.
Eu não gosto desse termo, que considero pejorativo e que me passa a impressão que pessoas podem ser "subrespeitadas".
Pessoalmente acredito que qualquer emprego/atividade que nos ajude a "crescer" e avançar na vida vale a pena!!!

Joice Guedes disse...

Milena, agradeço a resposta e realmente foi pejorativo o termo que empreguei. Acho que fiquei frustrada com a possibilidade de de chegar e não fazer o trabalho para o qual fui formada. Estive um tempo na Irlanda e no tempo em que estive lá, os brasileiros que conheci lá não tinham muita oportunidade de crescimento , mas concordo com você!
Não tive a intenção de desmerecer qualquer tipo de trabalho, foi uma colocação infeliz.
Diante das taxas de desemprego e da minha falta de referências na França eu estava realmente pensando em empresas que fazem comércio com o Brasil onde falar português seria um diferencial.
Mais uma vez agradeço a informação e parabenizo pelo post.

valeria disse...

Olá tenho intenção de ir no proximo p Paris e fazer um curso rapido na Cordon Bleu, mesmo tendo mais que 40 anos, é possivel arrumar um trabalho, denominado sub emprego: faxina, café. etc?
obg Valeria

Andréa de Azevedo Freitas disse...

Suas colocações são muito boas, completas... Você vive aí, não pegou as explicações de outras fontes e replicou... O mercado de trabalho é complexo no mundo inteiro, não apenas na França ou na Europa. A contratação de um empregado envolve vários fatores, a começar da necessidade da empresa, chegando até o potencial apresentado pelo futuro empregado. O recrutamento de um novo colaborador nunca será fácil e as vagas podem estar ociosas, como você citou, por falta de pessoal qualificado para o cargos oferecidos. Uma dos assuntos desenvolvidos hoje na área de RH é justamente saber se colocar no mercado, ou seja, não adianta eu ser mega qualificado e não saber como "vender meu peixe". Sou enfermeira e coloquei um currículo no site Emploi Soignants, específico para enfermeiros. Não coloquei foto, pois fiquei com receio de ser chamada para algum hospital e ter que recusar e queimar minha imagem, pois ainda estou no Brasil. Ainda assim recebo diariamente mensagens do site me convocando pra avaliar vagas muito interessantes, como enfermeira de Centro Cirúrgico, vagas essas que ficam ociosas por dias e semanas. Tenho 49 anos, não sou mais nenhuma menina, mas há uma carência de enfermeiros no MUNDO, então aonde eu me candidatar haverá uma chance de ser contratada.

Dayane disse...

Oi Milena, tudo bom? Estou acompanhando o seu blog, e queria parabenizá-la pelas dicas! Realmente pra quem tem planos de passar uma estadia na França, essas informações ajudam muito!

Bom, sou estudante universitária, estou no meu terceiro ano de direito na USP, e gostaria de passar um tempo na França para aprimorar o idioma.

Sei que o custo de vida em Paris é altíssimo, e tal, e namoro um parisiense há algum tempo, o que já aliviaria pelo menos as despesas com moradia.

Bom, gostaria de saber que dicas você me daria para conseguir um trabalho, seja como vendedora, garçonete, au-pair, enfim, qualquer coisa que pudesse me ajudar com as despesas durante esse período.



Soraia Costa disse...

Bonjour,..Milena, adorei o seu blog,..bom gostaria de me aposentar e ir morar em Paris,..com os meus rendimentos e alugueis de imóveis viveria tranquilamente a principio em Paris se não no interior da França,..seria difícil eu conseguir um visto provisório???a titulo de curiosidade,..merci Milena,...à biêntout,...
Soraia CoSTA

Clara Teixeira disse...

Milena, meu nome é clara e eu sou brasileira com cidadania portuguesa!estou indo morar em Paris ano que vem para estudar francês!meu francês por hora é super mega básico!você acredita que existe alguma vaga de emprego que aceitaria alguém que não fale francês?!um emprego básico que pague as contas básicas de sobrevivência

Larissa disse...

Oi Milena, estou lendo seu blog todinho hehe pois meu namorado foi morar em Paris esse ano e está aguardando os docs para trabalhar; estou indo psssar mês que vem com ele.. essa empresa que você trabalha é para estrangeiros ou somente franceses. obrigada

Rau disse...

Boa tarde Milena!

Trabalho com comércio exterior, mais precisamente na área de importação.Tenho muita vontade de morar na França, como está a situação aí na França nessa área de atuação? Você pode me ajudar?

CM WebDesigner disse...

Olá Milena, gostei muito das informações do seu blog, muita coisa me interessou na França, gostaria de saber mais sobre informação a respeito da área de informatica como (Programador, desenvolvedor web, etc) qual seria a expectativa de trabalho nessa área ai na França.

Sophie disse...

OLá Milena, pois é!! eu tenho a nacionalidade francesa, sou franco-brasileira, já trabalhei em várias empresas francesas no Brasil, falo francês fluente,inclusive até dou aulas de francês aqui no Rio de Janeiro, tenho todos os documentos (passaporte, identidade), família morando em Paris. Mas já tenho 50 anos (apesar de parecer bem menos) e até hoje não tive coragem de encarar o mercado de trabalho na França, pois amigos e parentes dizem que arrumar algo por lá está bem difícil. Já pedi ajuda a um amigo e ele me disse que eu deveria tentar por aqui através de empresas francesas com filial no Brasil, isso foi super desanimador, ainda mais vindo de um amigo de muitos anos. Acho que o mundo inteiro está assim. Não tem lugar mais fácil ou mais difícil para encontrar um trabalho. Decidir mudar de País é uma decisão muito importante e envolve várias fatores. Você tem de juntar dinheiro para se bancar um tempo sem trabalho lá fora, e como o euro tão caro esse projeto se complica ainda mais, não dá para contar com a boa vontade da família pois você não sabe quanto tempo vai ficar procurando trabalho. E os mesmo entraves que encontro por aqui acho que vou encontrar na França também, bom , não sei. Acho que é uma roleta. E eu sempre tive dificuldade de achar emprego, então acho que terei dificuldade na França também

ruben maríz disse...

Parabens pelo seu blog!
Gostaria de saber se tem que fazer uma carteira de trabalho como no Brasil?
Obrigada!

Milena F. disse...

CM WebDesigner, a area de TI é bem dinâmica por aqui, os especialistas dizem que é uma das areas que emprega e oferece muitas oportunidades. Tenho alguns amigos que exercem essas atividades aqui na França, eles dizem que nunca ficam sem trabalho, podem trocar se desejam, mas segundo eles encontrar o "projeto dos sonhos" é dificil, tudo meio repetitivo... Por exemplo, um "arquiteto java" sempre é seduzido por projetos interessantes, mas na real 90% do tempo ele vai fazer manutenção de sistema jah existente, o que para ele é muito chato e repetitivo.

Sophie, você tem a vantagem de ter a nacionalidade francesa e falar francês, o que possibilita de viver e trabalhar legalmente na França (e Europa)! Infelizmente o mercado não é facil (em nenhum lugar), ainda mais quando recomeçamos em outro pais. A idade pode pesar em um certo ponto (depende de cada cargo), mas não que seja 100% determinante. O problema é que quando a gente envia um curriculo, o recrutador vai olhar a experiência, onde o candidato estudou, e se for em outro pais eles sempre acham que essas experiências não prepararam para o cargo que eles têm a propor. Nesse caso você terah que escrever uma lettre de motivation muito bem feita, colocando em evidência seu dominio da lingua e a adequação das suas experiências ao cargo. Boa sorte!

Ruben, não existe carteira de trabalho nem equivalente na França. Para trabalhar você precisa do seu documento francês, europeu ou um visto que autorize a trabalhar, se for brasileiro. A empresa pode solicitar comprovação do diploma/profissão, ou pode pedir referências. Quando somos contratados assinamos um contrato e pronto (não existe uma "carteira unica"), e quando o contrato é rompido a empresa fornece um certificado. Bem mais simples.

Izabel Philippe disse...

Oi. Será q consigo de babá ou algo simples para pagar o aluguel? Tenho 55 e vou me aposentar..mas

Kalínca Lima disse...

Olá, Tudo bem? Milena, sou estilista de moda infantil,já viajei para Paris algumas vezes, para fazer pesquisas, tenho muita curiosidade em relação à minha área de atuação,´na França... Vc acha que é possível fazer trabalhos como free lancer? Tenho muita vontade... morar na França por enquanto não faz parte dos meus planos, mas fazer trabalhos como free, seria um sonho... o que acha? Não falo frânces, mas tenho amigas que moram em Paris e podem me ajudar, pretendo fazer um curso, inclusive me inscrevi em um curso dado por uma universidade francesa on-line... me ajude, por favor! bjs e obrigada pela oportunidade!

Milena F. disse...

Izabel, tudo vai depender da região onde você pretende morar... Se for em Paris, onde existe mais procura por babas, os aluguéis são mais caros. Se for mais longe, com os preços mais acessiveis de moradia, existe menos procura por baba, e mesmo se ainda é bastante, ai entra a "concorrência" (referências, etc).

Kalinca, sempre é possivel, mas a sua area, tanto na França como no Brasil, até onde entendo funciona muito através de uma boa rede de contatos, networking e indicações. Então quem não fez seus estudos formais no local e ainda não exerceu profissionalmente aqui estara em desvantagem.

Márcio Tyego disse...

Boa noite Milena sou o Márcio thyego sou brasileiro e nunca morei no exterior mais tenho um irmão quero já mora na França há 15 anos tem família constituída também por lá, tenho duas formaçãos técnica: técnico em eletromecânica e tec. Segurança do trabalho,já trabalho na indústria brasileira a 09 anos e tenho desejo de trabalhar fora mais presidente na França na área da indústria, gostaria de saber quais seriam as vantagens e desvantagem do trabalho na indústria extrangeira e se há possibilidades ?

Anônimo disse...

Olá , sou brasileiro tenho um contrato mas minha esposa está no Brasil e não só.os casados legalmente queria saber se ela pode vir e ficar comigo ?

Ester quicusso disse...

Ola Milena estou querendo me mudar para a franca com meu marido e filha acha que conseguimos empregos rápido sou pedagoga e meu marido é segurança com todos os cursos vc acha que conseguiríamos nos manter ai queremos muito mudar de vida dar um futuro a nossa filha.
Meu cunhado esteve em Paris em dezembro de 2015 e disse que ai é maravilhoso eu quero ir mesmo que seja pra trabalhar de baba vc acha que conseguimos empregos rápido

Milena F. disse...

Anônimo, para conseguir um visto de acompanhante você precisa provar que vocês são casados. Na lei francesa quem é casado e quem não tem esse "documento" não possui os mesmos direitos. Melhor se informar diretamente no consulado da França mais perto de vocês para ver se existe alguma exceção, mas geralmente o que vejo é que o casal acaba tendo que se casar legalmente para beneficiar dos direitos. Boa sorte!

Ester, aconselho a ler meu artigo http://viverplenamenteparis.blogspot.fr/2014/11/o-que-e-preciso-para-morar-na-franca.html que explica em quais casos os estrangeiros podem viver e trabalhar legalmente na França. Quem não se encaixa em nenhum desses casos (a maioria) pela lei não pode viver nem trabalhar aqui, quem o faz estah em situação irregular, sem direitos sociais, tem que se sujeitar a trabalhar sem contrato e sem beneficios, ou seja, no mercado negro, e viver fugindo da policia. Eh uma escolha de cada um.

Jaine Bueno disse...

Olá milena.
Noeu caso meu namorado está querendo entrar para legião,
Então gostaria de está indo para França fazer um estágio, e arrumar um serviço
Até que ele possa alugar uma casa para nós.
Como devo proceder não entendo muito bem sobre isso.

Milena F. disse...

Jaine

Anônima, perguntei a um amigo que é militar na França (mas ele não é da legião), que me disse que os legionarios não possuem os mesmos direitos, dos cidadãos normais, e que nesse caso o fato deles morarem na França não garante o visto para a familia. Na verdade a legião estrangeira é bem misteriosa e fechada, com leis bem particulares. Melhor ele ver com o comandante dele e conhecer melhor os direitos dele. Inclusive me disseram que quando os legionarios não estão de serviço nem têm documentos que permitam abrir uma conta em banco ou alugar um apartamento, o que fica complicado para trazer a familia.
Acredito que a unica forma de você conseguir vir legalmente seria entrando como estudante, au pair ou algo do gênero.

Boa sorte!

Anônimo disse...

Como é funcionalismo público na França? Os concursos são tão difíceis e concorridos como no Brasil? Os salários compensam?

Milena F. disse...

Não conheço todos os tipos de funcionários públicos nem os salários, mas de uma forma geral eles são vistos como privilegiados. Meu marido é um, ele é professor de artes e foi uma semana de concurso, tem prova oral e também entrevista com uma equipe de avaliadores para ver a motivação de cada um. A cada dia vários eram eliminados. Eram mais de mil candidatos para 20 vagas. Vale lembrar que para prestar concurso tem que ser francês ou de um outro país da Europa, e o nível de francês tem que ser muito bom para ter resultado satisfatório nas provas.

Eliane. disse...

Boa noite. Li algumas postagens daqui e vi que você também é psicóloga mas atualmente não trabalha exatamente nessa área. Aqui no BR está difícil demais encontrar algo que dê alguma estabilidade nessa área para além dos concursos públicos o que nesse percurso deixa algumas frustações. Ao mesmo tempo já vivi alguns meses no sul da França e conheço outras regiões que me encantram ao ponto de ter essa ideia fixa de voltar e quem sabe estudar, morar, trabalhar... um sonho! Me comunico em francês mas não domino exatamente, não teria problemas em trabalhar em outra área, a questão é : por onde e como arriscar trabalhar e construir uma vida sozinha na França.
Uma especulação durante o período de um visto de turista seria suficiente para conseguir algo que me garantisse um visto de trabalhador?

Obrigada :)

Milena F. disse...

Eliane, como regra geral, quando se visita um pais como turista (no caso, a França), não se pode fazer um upgrade para o visto de trabalho. A pessoa jah tem que sair do seu pais com o visto. Para obter um visto de trabalho não é coisa simples, o empregador precisa arcar com as responsabilidades, custos, e garantir que não conseguiu preencher a vaga com os trabalhadores locais, então geralmente o visto de trabalho acaba sendo mais facilmente fornecido ao que eles chamam "talentos", profissionais ultra-qualificados, dificeis de encontrar.

Lucimar disse...

Como deve ser o procedimento para contratação de brasileiros?? Fui convidada por um amigo para trabalhar em sua empresa(um hotel) e não sabemos qual o passo inicial a tomar. Vc poderia me esclarecer??

Anônimo disse...

Nossa pensei que o salario fosse mais alto.... Fico imaginado por exemplo: com 1200 euros a pessoa precisa pagar moradia,agua luz gas impostos comida etc... o que sobra???!!!!

Carlos Peixoto disse...

Olá! Parabéns pelo excelente blog.

Tenho uma dúvida sobre um contrato e talvez me possa ajudar. Como faço para cancelar um contrato CDD com uma empresa antes da data de final de contrato?

Cumprimentos,
Carlos Peixoto

Milena F. disse...

Carlos, em principio um CDD não pode ser rompido antes do final (se jah passou o periodo de teste. Porém existem algumas exceções, dentre elas: se o empregado obtém um CDI em outro lugar ou um acordo amigavel. Eh você que gostaria de romper? Nesse caso melhor conversar com seu chefe ou RH e explicar, certamente eles não vão querer ficar com um funcionario que não estah mais motivado ou que tem outros projetos. Outras formas é em caso de falta grave.