sábado, 30 de junho de 2012

Museu Freud em Viena

Se o motivo principal e manifesto da nossa viagem a Viena era ver de perto as obras de Klimt e aproveitar os eventos dos 150 anos do seu nascimento, o principal motivo oculto era visitar essa cidade na qual Freud foi morar com a sua família aos 3 anos de idade e onde permaneceu até o ano anterior a sua morte.
Então posso dizer que tendo lido algumas das biografias desse personagem ícone da psinalálise (principalmente as escritas por Ernest Jones e Irving Stone) eu sentia como se já tivesse caminhado pelas ruas de Viena muitas vezes da minha vida! Mas nem por isso a emoção foi menor!

 A casa em que Freud viveu 47 anos da sua vida e onde se localizada seu consultório foi emocionante para mim que conheço bem a obra dele. Imagino que para os leigos talvez não seja assim tão interessante. 
Apenas poucas peças da casa contém objetos e móveis de origem, já que todo o resto foi transportado quando ele se mudou para Londres em 1938 para escapar do nazismo que tinha chegado com tudo em Viena, no dia seguinte à prisão de sua filha Anna Freud durante um dia para interrogatórios. Ele sentiu então que o nazismo poderia causar muitos estragos para os seus próximos e aceitou de partir, deixando para trás a cidade que ele tanto amou e odiou ao mesmo tempo.
A sua sacola de viagem com as suas iniciais estão lá, a mesma que tantas viagens o acompanhou pela Europa, já que ele adorava conhecer novos lugares e revisitar os mesmos.
Freud adquiriu ao longo dos anos uma bela coleção de antiguidades, nada menos do que 2 mil peças, de origem principalmente egípcia, grega e romana. Com a ajuda de seus amigos ele consegiu inventariar tudo e levar para LOndres, onde se encontra atualmente grande parte da sua coleção. Apenas umas 60 peças estão em Viena, diação de sua filha para a abertura do museu.


Uma idéia de como era o seu consultório na época, com todas essas peças expostas em todos os cantos!!!
A sua famosa sala de espera, onde ele recebeu milhares e milhares de pacientes, alguns deles que por sua vez se tornaram famosos devido aos seus escritos.
Se muita coisa mudou de lá para cá, a escadaria que leva ao apartamento é a mesma. Uma viagem no tempo e na história (não apenas da psicanálise!)

Ainda quero visitar a casa dele aos arredores de Londres da próxima vez em que atravessar o canal da Mancha!

Sigmund-Freud-Museum
Berggasse 19 (em Viena)

12 comentários:

Flavia disse...

O pai da Psicanálise, não se se te falei mas, eu amo a psicologia, quase me formei faltaram 2 anos apenas dos 5.E com certeza se fosse em Viena, visitaria um lugar desses e teria uma sensação surreal!Agradeço por compartilhar conosco momentos como este.Grande Bj Milena, além de viajar com vc me transportei a uma viagem pessoal comigo mesma.

Enaldo disse...

Eu sou leigo e acho bem legal. Eu não sabia que o homem era abonado a ponto de ser um colecionador.

Onde fica a casa dele em Londres?

Enaldo disse...

Encontrei: 38 B511, Camden Town

Mikelli disse...

Ai que delicia! agora fiquei com vontade de conhecer. fui a viena 2 vezes mas nunca visitei o museu. Tb nao sou nenhuma expert no assunto mas faz algum tempo que tenho lido/visto muitos filmes sobre freud e minha curiosidade so aumenta. bjs!

cantinho da Nany na Italia disse...

Que maravilha vc vivenciou, são essas coisas que ninguem pode nos roubar, e que ficarao pra o resto de nossas vidas..bjss

Milena F. disse...

Flavia, vc já tinha vencido mais da metade, faltava pouco!!!

Enaldo, não sei se é o mesmo lugar, eu sei da casa dele em Hampstead, na periferia de Londres, você pode encontrar todas essas informações no site oficial http://www.freud.org.uk/
Ali está inclusive o divã que o acompanhou por anos e anos!!!
Ele não era tão "abonado" assim, ele foi muito pobre e passou muitas dificuldades, mas com o tempo ele tratou pessoas muito ricas que o recompensaram financeiramente, em presentes ou em ajuda preciosa, como a amiga Marie Bonaparte (da família de Napoleão), casada com o príncipe da Grécia e Dinamarca que o ajudou a fugir de Viena, acolheu Freud e sua família em Paris antes de embarcá-los para Londres e ajudou com a mudança! Na biografia diz que Freud tinha poucos prazeres na vida, um deles era receber amigos ao redor de uma refeição e outro era a sua coleção. Com a primeira guerra e a situação precária da Austria logo após, todas as suas economias viraram pó, perderam completamente o valor!

Mikelli, mesmo se você não é expert, se você se interessa pelo tema vale a pena a visita!

Milena disse...

Que bacana.

Mulher de Fases disse...

Lá vai a inculta deixar um recado. Nunca fui uma admiradora de Freud, aliás nunca li muito sobre ele. Mas esse é o legal de viajar não?? O aprendizado vem de uma forma mais concreta! Eu acho que iria achar interessante conhcer esse museu.

Abracos

Jorge Fortunato disse...

Quando estive em Viena passei por este Museu, mas não o visitei. Fiquei na dúvida entre entrar ou não. E decidi nao entrar. Coisas que acontecem em viagens,,,rs]
bj

Aline Souza disse...

Olá Milena, minha irmã é psicóloga, e iria amar visitar este museu :) Até mandei o link do seu blog para ela!! Eu também adoraria conhecer!! Bjuss

Sandra disse...

Também quero visitar a casa do Freud em Londres!!! Quando estive em Viena, tb visitei a casa dele e foi sensacional, pena que eu cheguei lá em cima do horário de fechamento e tive ver tudo correndo. Bom revê-la pelo seu ponto de vista. "Recordar, repetir, elaborar". :-)

Elizangela Pícoli disse...

Ai que legal!!! Conheco a de Londres, vale muito a pena...