quarta-feira, 23 de novembro de 2011

De um livro a outro!

Le Château de ma Mère (o castelo de minha mãe):

Esse livro do escritor francês (e provençal) Marcelo Pagnol é o segundo volume do recito autobiográfico "Les souvenirs d'enfance" (lembranças da infância). A narração é em primeira pessoa e é ele na pele de seus 8 anos que conta a história de suas aventuras de infância e de família. O texto é lindo, a escritura perfeita e simples. A gente entra no personagem do pequeno Marcel, revive uma amizade e uma relação de família que raramente vemos hoje em dia... O epílogo melancólico que fala do tempo que passa encheu meus olhos de lágrimas, nem me dei conta que estava no trem voltando para casa! Imagino que seja facilmente encontrado em outros idiomas.

A história se passa antes da Primeira Grande Guerra, em uma França que a gente não imagina hoje em dia. E esse capítulo triste me fez pensar que as guerras  (mesmo que o livro não fale disso!) foram algo que construiu a personalidade dos franceses (e outros europeus, é claro). Para nós brasileiros foi algo distante, que não nos marcou diretamente. Mas ainda hoje vejo todos os dias pessoas nascidas no início dos anos 30, e fico pensando "ela tinha 7 anos quando a II Guerra começou, o que será que mudou na sua vida? será que seu pai sobreviveu? E seus irmãos?";

Marcelo Pagnol nasceu em 1895, estudou em Marselha e terminou seus estudos em Aix-en-Provence. Escreveu várias peças de teatro, romances, artigos literários. Mais tarde começou a fazer filmes. Todo francês conhece as suas obras (geralmente seus livros são lidos na escola) e conhece seus principais filmes. Uma de suas últimas obras adaptadas ao cinema foi "La fille du puisatier", um retrato da Provence da sua época. 

L'Impératrice de la Soie (Imperatriz da seda)

Uma trilogia do escritor francês José Frèches que concluí essa semana. Frèches é apaixonado pela civilização chinesa, além de outras civilizações orientais. Muito jovem ele passou em um concourso para conservador de museu e trabalhou no museu Guimet em Paris (arte asiátiaca), Louvre, dentre outros. Essa saga se passa no século VII d.C. na Rota da Seda, ligando diversas cidades da China da dinastia Tang, India, Tibet, etc. Envolve religião (as disputas de poderes entre as diversas correntes budistas e o cristianismo que tenta se inserir nessa conjuntura), poder e as diferentes raças e etnias que se encontram nesse caminho. Adoro romances desse tipo (história e aventura), baseado em elementos da realidade. Um aspecto que pode chocar os desavisados: as relações íntimas são descritas em detalhes... E com base nesses detalhes, podemos pensar que esse povo era bem safadinho!!! hahahah

Time of my life

A autobiografia de Patrick Swayze. Gostei muito de ler sobre a vida desse ator cuja luta contra o câncer foi uma lição de vida. O livro me fez pensar em muitas coisas... Por exemplo, eu sempre pensava que "essas pessoas" tinham "tudo": fama, dinheiro, etc... Mas a gente acaba entrando na cabeça deles e vê que a lógica dele não é a mesma que a nossa... O que para mim parecia suficiente, não o era para ele e nunca seria... Mesmo que eu continue não aprovando alguns comportamentos, fica mais fácil entender! A escritura não é lá uma Brastemp, mas para quem gosta de autobiografias, vale a pena! Claro que em uma biografia a pessoa conta o que quer...



Estou com uma dúvida cruel: o que quero ler agora? 

4 comentários:

Luciana disse...

Nossa, você está lendo muito, isso é ótimo.Eu amo ler, mas infelizmente não tenho tido muito tempo e levo muitos dias pra finalizar um livro. Adorei as dicas, não conhecia esses livros.

Depois conta pra gente a próxima leitura.

Beijo

Vanessa à Paris disse...

Milena eu adoro ler tb.
E verdade Pagnol é um clássico de certa forma, não?

Ha dois anos li Métronome do Lorànt Deutsch, vc ja leu? Esse todos que aconselhei adoraram.
Gosto mto de livro policial tb.
Na verdade sou super eclética, você já leu A menina que roubava livros? E maravilhoso. Tem um que tb é minha paixão so q o titulo e gigantesco...e não me vem a cabeça completo, depois te passo, mas e um livro so de correspondências.
Ja leu Barthes?
Eu li um fantástico sobre Marie-Antoinette? Tenho q ver o nome para te passar.

Com a diversidade dos seus títulos não consegui definir seu estilo:P
Voce tem um?
bjs

Milena F. disse...

Luciana, leio rápidinho, no trabalho já virou piada, dizem que leio um livro por dia!!! E estão sempre me pedindo dicas de leituras e quando recebo um presente, é um livro!).
Terminei o último ontem e hj ainda não escolhi um livro... Saí para trabalhar com 2 na bolsa, ainda não decidi qual começo! Depois conto!

Vanessa, desses que falou só li "a menina que roubava livros", realmente lindo! Mas não tenho estilo não... Sempre gostei de romances históricos, como "O tempo e o vento", de Verríssimo (li todos os volumes em 1 mês, e isso que estava me preparando para o vestibular!), mas tb sou apaixonada por mistérios e policiais. Devo ter lido quase todos da Agatha Christie!

fernandasouza disse...

Eu moro em Marseille, na rua onde morou Marcel Pagnol. Acabei de ler La femme du Boulanger, é muito engraçado. Recomendo. Li La Gloire de mon père, preciso ler Le Château de ma mère. Comecei quando meu francês não estava muito bom e deixei de lado. Mas ainda há muitos cantos que aqui as pessoas dizem: "essa é a Provence de Pagnol"! ;)