segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Diálogo feminino

- Você é casada, não é?

- Sou.

- Mas não tem filhos ?

- Não.

- E por que não?

(como explicar as minhas crises de existência, minha dúvidas, meus medos...?)
- Néao sinto ainda esse chamado da natureza.

- Mas quantos anos você tem?

- 31.

- Não é mais tão nova, tem que começar a pensar!

- Se eu estivesse no Brasil talvez já tivesse ido em frente, mas aqui me sinto sozinha sem minha família... tenho medo de não conseguir gerar tudo, filho, marido, carreira, casa... De nunca mais ter uma casa em ordem, de nunca mais ir ao cinema, ao teatro ou aproveitar de um jantar romântico com meu marido... De nunca mais me sentir mulher, profissional, e viver apenas para ser mãe.

- Mas eu também quase família aqui, estão todos na Argélia, e os que estão aqui também trabalham e não podem se ocupar da minha vida no meu lugar. Eh verdade que quando a gente tem filho deixa a vida de casal em segundo plano e o trabalho se torna apenas um ganha-pão, a gente pensa em uma promoção apenas para ganhar mais e poder pagar os estudos dos filhos... Meu marido e eu nunca mais fomos ao teatro ou jantamos zosinhos... Mas você vai ver, o tempo passa rápido! Agora meu filho tem 6 anos e poderá viajar em colônia de férias, e então teremos um momento de novo só para o casal!!!

- Obrigada, vou refletir.

(diálogo ocorrido hoje de manhã com a agente de limpeza da estação que me conhece desde que vim morar aqui, mas poderia ser um diálogo com qualquer uma das mulheres com quem falo todos os dias... pois todo dia é a mesma conversa! Ou então poderia ser o meu pai! Ele não se incomoda de insistir que passando dos 30 em breve estarei passando da idade!!!)

26 comentários:

Vanessa disse...

Milena, compreendo o seu medo. Você descreveu exatamente a minha vida depois que eu tive um filho. Mas, apesar de bater uma "deprê" de vez em quando ... Está valendo a pena!!!!!! Bjs.

HK disse...

Eu queria muito ter um filho... queria... mas depois de pesar os pres e contras eu ja nao sei se quero tanto assim e se nao tenho certeza eh pq nao eh a hora.
Este papo de maternidade depois dos 30 me da uma preguica... zzzz... eu nao aguento mais minha mae me perturbando p ter um neto.

Carla (Arroz de Minhoca) disse...

Não resisto, vou comentar :)

Sim, a vida muda... e a gente tb.
Portanto, não há como avaliar "uma futura maternidade" baseada em valores atuais.

Não, a gente não muda nossa visão profissional. Assim como, tb não vivemos "só para ser mãe". Ao contrário, vivemos é de olho em cada oportunidade q nos surge para nos sentirmos livres novamente mas, passado pouco tempo, pouco mesmo, 1 ou 2 horas, já estamos loucos para cheirar as crias novamente.

Sim, a gente deixa de sair pra jantar fora romanticamente com o marido, por um único motivo, é que é "incomparavelmente melhor" ficar em casa curtindo um filho pequeno.

Sim, a gente gasta mais com os filhos, mas é com imenso prazer e felicidade!

Tens tempo de arrumar a casa, ir muito ao cinema, estabilizar carreira, etc... Ainda estás longe, muito longe do dito "prazo de validade para a maternidade"... eu tive essa crise e me informei bastante. Atualmente, o q se aconselha é ter a primeira gravidez antes dos "40".

Por fim: Estás em França. Aí as mulheres vivem suas vidas "apesar" da maternidade". Há uma "liberdade" institucionalizada que defende a liberdadede de ação e vontades das "mães"... Aqui (em pt... pshhh!) a gente tem que fazer sopa todo dia e, qdo viajei sozinha, por 3 dias, para visitar uma prima em Paris, fui brindada com um olhar torto de incompreensão pela maior parte das "mães portuguesas" q conheço e, de brinde, um comentário da sogra que disse e repete sempre q pode "Tua filha pegou um trauma qdo fizeste aquilo!"... eu, olho pra ela e sorrio :)

Acredita, ainda tens muito tempo sim... e teus filhos virão qdo eles decidirem q é a hora... agora, se tu achares q estás demasiado indecisa e o tempo passando, faz como eu, solta tudo e deixa acontecer... pra minha surpresa, jamais, nunca me arrependerei do amor que experimentei e descubro a cada dia... sabe aquela tal história do "Pai-Filho-Espírito Santo"? Agora entendo.

Mirelle Siqueira disse...

hahahahaa! super te entendo! tô na mesma situação. mas se penso em nao ter filhos morando na França, no Brasil é que eu não teria mesmo, embora a familia esteja la. o pais ta tao violento e caro... enfim. tb não quero bebe por tudo isso que vc disse e um pouco mais. nao se aflija muito, a hora certa vai chegar (ou talvez nao chegue mesmo), vc vai saber.

;)

Tatiana disse...

Hahaha....Milena querida...que mulher enxerida...hahaha.
So voce pode saber quando essa hora chegará, ou mesmo, SE essa hora chegará.
Nao se deixe pressionar pelas cobranças!!!
Agora...sem querer ser parcial..rs, mas mesmo com filhotes, da pra namorar sim...rs, as vezes demora para voltar ao ritmo, mas com boa vontade(dos 2 lados,claro),ele volta!!!
Beijocas!!!

Vanessa à Paris disse...

Pois é, isso é um grande dilema.
Mas era que existe realmente um momento certo? Será que saberemos quando será e se não deixaremos ele passar?
Será que toda mulher se questiona?

Milena F. disse...

Vanessa, sei que deve ter os prós e contras... Mas algumas mães veem muito mais os pros que outras... Enquanto outras não conseguem mesmo lidar com as mudanças...

HK, Eu não acredito muito em prazo de validade... Claro que com a idade as dificuldades aumentam, mas tenho uma amiga que teve seu primeiro bebê no ano passado, aos 42 anos! Supersaudávéis ela e o bebê! Então acho que é possível... ao mesmo tentar!

Carla, são essas mudanças todas que dão "medo"... Sim, claro que ainda é possível engravidar mais tarde, como disse acima tenho uma amiga que teve seu bebê aos 42 anos (agora lembro de outra pessoa que teve um bebê esse ano, na mesma idade), mas também perdi as contas das amigas que passaram um pouco dos 30 e não conseguem engravidar de jeito nenhum. médico aqui na França tb coloca pressão! O meu já me colocou pressão na última consulta!!!
Mas acho que o unico jeito vai ser eu "esquecer" de tomar a pílula e ver o que vai dar! E deixar nas mãos de deus! se for para ser, será! hahaha

Milena F. disse...

Mirelle, pois é, ainda não ouvi "o chamado", como muitas mulheres dizem terem ouvido, e não sei se ele virá!
Por enquanto fico aqui quebrando a minha cabeça!

Tatiana, valeu a dica, queria mesmo que alguém me deixasse uma esperança lá no fim do túnel de que a vida do casal não termina após os filhos!!! hehehe

Vanessa à Paris, e como a gente identifica o tal "momento certo"? A resposta que vale 1 milhão de dólares!!!

Line disse...

Ai, esse dilema! Também sempre me perguntava como algumas mulheres conseguem identificar "o chamado". Vivo isso há mais ou menos uns dois anos, mas sempre esperando o momento ideal que, obviamente, nunca acontecerá.
Então em vez de esperar pelo momento ideal, resolvi baixar um pouco o nível de expectativa e começar a esperar o momento mais propício - esse sim é bem mais fácil de reconhecer!
Mas pra quem mora longe da família, formar uma família demanda muito mais planejamento e logística, rs.
Eu gostaria de ter tido filhos mais nova, mas não deu. Comecei minha faculdade relativamente tarde, me mudei de cidade pra isso. E quando finalmente consegui me estabilizar na cidade que não era a minha, mudei de país! haha
Acho que essa questão será sempre um dilema: ter filhos mais nova e só depois investir na carreira? Ter filhos mais velha e "cortar" a vida profissional ao meio durante um tempo?
Eu, com 30 anos, só tenho a segunda opção ;)
Não sou do tipo que morre de amores por bebês desconhecidos, mas quero ter filhos, talvez apenas um. Mas acho que se não vier, também não vou ficar paranóica. Veremos, rs.

Beijos!

Graça Oliveira disse...

Eu tenho 29 anos, sou casada e tbm ñ quero ter filhos...
Melhor assim...rsrsrsr
Bjos

Luciana disse...

Eu nunca recebi o tal chamado, estou quase com 40 anos, e há muitos decidi que não quero ter filhos, acho que já nasci sabendo disso. Então imagine a quantidade de vezes que eu ouvi esse tipo de indagacões e até de indignacões por parte dos outros. Não ssei que mania é essa do povo acreditar que tem que nos convencer a ter filho, acho estranho.

Ih, sinceramente, 31 anos, é uma menina, você tem muito tempo, conheco mulheres que foram ter o primeiro filho depois dos 40, as criancas nasceram saudáveis e lindas, as mulheres esbanjando saúde e com energia pra darem conta do recado.

Beijo

Milena F. disse...

Também esqueci de dizer que acho uma pergunta muito fdp, pois quanta gente não tem porque não consegue? E aí vem alguém perguntar e colocar o dedo na ferida!

Mas Luciana, os dados médicos confirmam, a possibilidade de engravidar é de:
25% por ciclo aos 25 ans.
12% aos 35 ans.
6% aos 40 ans.

Tb explicam que a fertilidade da mulher está no seu auge aos 20 anos e diminui lentamente dos 30 aos 35 anos, e muito mais rapidamente depois. Tanto meu médico brasileiro quanto o francês me disseram que engravidar de forma saudável e ter um bebê saudável após os 40 é uma exceção, não a regra...
Preocupante...

Sandra disse...

Oi Milena! Descobri o seu blog a pouco tempo, gosto muito de lê-lo. Leio mas pouco comento...rs..
Sim, esse assunto de maternidade... moro na Suíça e como vc e outras amigas estamos todas longe da família, tb. já passei dos 30, estou casada a 2 anos e ainda não senti o "chamado". O pior é que o povo não se toca, poxa deixa eu saber quando quero OU se quero ter filho. Já vi gente dizer que não quer filho e o olhar de desapontamento do locutor foi tão óbvio que parecia que a pessoa era a maria pecadora. A sociedade sempre cobra... "O inferno são os outros".
ps: como você tb. estudei Psicologia.
Abraços

Vanessa à Paris disse...

Pois é Milena, como as outras meninas disseram esse tal chamado qdo é que sabemos que é ele ou que ele está ocorrendo?
Eu tenho um casal de amigos franceses que não querem ter filhos. E eles dizem que é brabo assumir isso, as pessoas fingem que nunca ouviram e perguntam de novo. Só que eles sempre falaram isso, antes mesmo de casarem.
Pois é ainda tem aqueles que não podem e não querem ter que gritar aos quatro cantos do mundo.
Eu gosto de crianças, minha vida toda ouvi: Nossa ela vai ser uma excelente mãe...
Só que ainda não recebi o tal chamado. E já tomei ate bronca da minha ginecologista, por causa dos 30 anos...na porta
Enfim, acho que se tivesse minha mãe por perto tlz as coisas já estariam mais definidas.
De qq forma eu to tentando firmar uma carreira.
Ufaa.
Coragem a todas nos!!

Carla (Arroz de Minhoca) disse...

Nossa! Qta agitação por aqui :)
E já q comecei dando palpite lá em cima, continuo aqui em baixo:
Pela minha experiência, NÃO EXISTE o tal "chamado"... Nem tão pouco o tal "momento certo"
A decisão é mesmo "racional" e o lado "emocional" (entenda-se "instinto") encarrega-se do resto.
Por fim, meninas perdoem as pessoas que perguntam, na sua maioria, são mães que experimentaram e talvez, só estejam tentando passar a mensagem de que "É UM DESPERDÍCIO PASSAR PELA VIDA, SENDO MULHER, E NÃO EXPERIMENTAR A MATERNIDADE"

Anônimo disse...

"Tb explicam que a fertilidade da mulher está no seu auge aos 20 anos e diminui lentamente dos 30 aos 35 anos, e muito mais rapidamente depois. Tanto meu médico brasileiro quanto o francês me disseram que engravidar de forma saudável e ter um bebê saudável após os 40 é uma exceção, não a regra...
Preocupante..."

Mas calcule bem: você está aqui na França há quantos anos (uns 4/5?)? Você imaginava que sua vida ia mudar radicalmente assim? Você tem 31 HOJE. Daqui a uns 4/5 anos ainda não terá 40 e talvez tudo tenha mudado radicalmente de novo.

Tenho 33 anos e não quero filhos, meu marido também não. Não queremos simplesmente porque não desejamos educar ninguém, cuidar de ninguém (fora de nós mesmos), sermos responsáveis por ninguém. Crinça é lindo, na casa dos outros.

Todo mundo me pergunta o porquê e, muitas vezes, escuto a fatídica questão: "vocês não se amam?" - estamos há 7 anos juntos. Quando tenho saco, explico as nossas razões. Quando não tô afim, digo: "estamos tentando". Todo mundo se cala e me deseja boa-sorte.

Decidi que não ia mais me preocupar em explicar nada aos outros. A família e amigos próximos sabem as razões. Muitas vezes insistem porque querem. Deixo-os falar.

Vivo feliz demais como estou e com a nossa escolha.

Fique tranquila: ser mãe não é para todo mundo. E daí?!?!

Vanessa disse...

Milena, cobranças sempre existem, com filhos ou não. Eu me casei com 32 anos e tive o meu filho com 34. A minha carreira (na área da publicidade) eu deixei de lado quando decidi me mudar para a França para seguir o meu "francesinho". Optei por ter so um filho. Como costumo dizer, foi a Air France quem "impôs" o controle de natalidade aqui em casa, ou seja, ou tinhamos mais um filho ou continuavamos a passar as ferias no Brasil. Venceu o lado racional e economico. Criar um filho aqui na França não é nada facil nem barato. Os jantares a dois começaram a ser substituidos pelos lanches no Mc Donald's. As viagens se tornaram cada vez mais raras e as saidas culturais passaram a obedecer e a seguir o programa escolar. Cinema? Um vai ver o ultimo desenho animado com o filho e o outro vai ver sozinho um filme "mais adulto ou mais cabeça". Com a idade a paciencia vai se esgotando e a serie de perguntas "Porque ???" vai dando nos nervos. Hj virei mae, motorista, segurança, cozinheira e professora. Não me arrependo mas acho que a decisao de ser mae tem q realmente ser muito bem pensada. A cobrança hoje é pelo segundo filho que, decididamente e logicamente, nao vira. Nao se deixe levar pelas cobranças. So vc conhece os seus desejos e anseios. Eu consigo, com a piadinha da Air France, cortar logo logo qualquer conversa q comece com: Pq vc nao tem outro filho??? Bjs

Luna disse...

Poxa Milena,eu tenho 25 anos e nem pensei seriamente na hipotese de ter filhos maaaas,se eu ouvisse um depoimento que nem esse da senhora argelina aí é que eu faria uma laqueadura no dia seguinte!hehehehe.
Mas exageros a parte,eu já vi muitas mulheres ficarem sem vida pessoal depois de ter filhos sabe,donas com um phd em economia que de repente só sabem falar de fraldas;se ser mãe é isso eu só deixaria isso acontecer comigo o mais tarde possível.

Milena F. disse...

Vanessa, é esse o meu medo! Mas por outro lado, todo mundo diz aqui que ainda por cima temos que ter filhos para pagar menos impostos!!!
Até a minha chefe ficou apavorada quando comentei quanto meu marido e eu pagamos de impostos.. ?Ela ganha mais do que eu, e com marido em boa situação profissional eles pagam BEM menos que nós, além de quase nada de taxe h'habitation... No trabalho do meu marido existem várias vantagens (financeiras) para casais com filhos, e as colegas deles com menos de 30 estão engatando o segundo bebê menos de 1 ano após o primeiro...

Milena F. disse...

Vanessa, isso tb me assusta, pessoas que antes eu conhecia como superestudiosas, informadas, que viviam lendo assuntos "sérios", e depois do filho, a única conversa é a temperatura do leite e a cor do cocô...

Juliana Beaup disse...

Milena, eu nao acredito em hora certa mas querer ou nao querer ser mae......eu por exemplo se esperasse momento certo ele nunca chegaria, primeiro por nao ter recomeçado estudos aqui, segundo porque quando engravidei morava num ape pequeno, quando tive Alex estava com carro pequeno e ainda nesse ape maior mais ainda pequeno pra cinco.....nao comprei imovel, estou beirando os trinta sem vida profissional.......enfim, pra muita gente, nunca seria o momento MAS eu GOSTO, entao pra mim vem filho, a gente cuida! Da trabalho? MUITO.....muda sim completamente, nao é algo ruim, mas tem que estar pronto pra abrir mao, aqui como emendei sao anos sim sem sair em casal, so saimos cada um no seu tour, sem viajarmos so nos dois, sem fazermos saidas ou gastos astronomicos com bobagens como antes mas se for dizer tudo que ganhamos com as crianças, vou ficar dias escrevendo por aqui.
Acho que ter filhos nao é obrigaçao, tem que ser por gosto.......EU nunca quis ter filhos tarde, ou era pra ser cedo ou nao queria mais.....hoje to feliz com minha escolha, ainda tenho muito tempo pra luas de mel, pra aproveitar com Chris o que ainda nao aproveitamos, pra se quiser traçar um pequeno caminho profissional e aprendi a me realizar de diversas formas.
Acho um saco esse tipo de pergunta, invasiva, mesquinha e dolorida pra muitas mulheres.
Nao ter filhos tambem é opçao e muito longe desse esteriotipo escroto de infelicidade, abandono na velhice.......entao relaxa! Se voce curte crianças, se sente capaz em mudar sim sua vida ao menos por uns dois tres anos ate retomar um ritmo bacana, và em frente......mas senao, continua curtindo seu cinema, suas viagens legais, sua vidinha com marido! Filho é coisa séria, caminho sem volta.......bjao e boa sorte!!

Beth Blue disse...

Milena, esta crise é super normal na sua idade...eu também passei por ela! As cobranças são certamente a parte mais chata da estória, o negócio é (tentar) não dar atenção a elas porque no final das contas, quem vai ficar em casa trocando fralda e dando mamadeira de noite é você e não quem cobra...

Eu engravidei com 33 anos (estava morando junto há 5 anos e as pessoas viviam perguntando), tive meu filho com 34 e não vou mentir: mudou a minha vida completamente. Nos primeiros anos, deixei de ser mim mesma pra ser apenas mãe...não tínhamos família por perto pra ajudar, era eu o (ex-)marido revezando os turnos. Muito cansativo, no primeiro ano meu filh acordava em média 3 ou 4 vezes T-O-D-A noite. Ele só começou a dormir direto quando completou 1 aninho (milagre dos milagres) e neste momento eu já tinha certeza de que NÃO queria mais outro filho...Eu nem devia dizer isso aqui pra não te assustar mas tive depressão pós-parto então meu caso foi complicado...não desejo pra ninguém o que passei!

Enfim, eu acredito que filho muda a vida da gente pra sempre. Eles vem para ficar e passamos a ser responsáveis pela vida de alguém. Eu não entendo até hoje como algumas pessoas conseguem ter 3, 4 filhos com a maior "naturalidade". Antes dos 30 eu só queria viajar, lá pelos 32 comecei a pensar que era hora de engravidar (eu achava que se era pra ter filho, que fosse antes dos 35).

Desculpa se eu te assustei, mas é só pra dizer que decidir ter ou não filho é a decisão mais importante na vida de uma mulher. O lado bom da estória (tem de ter um) é que hoje eu não poderia imaginar a minha vida sem o meu menino. Ele é uma criança especial em todos os sentidos...e completa a minha vida como ninguém.

beijos e desculpe o post loooooooooooooooooooongo...

Milena F. disse...

Meninas, vocês são todas uns anjos com todas essas oponiéoes e por abrirem os corações e contarem um pouco do que passaram ou passam!
Minha idéia que era levantar a questão foi bem atendida por vocês!
E confesso que fico contente pois não me sinto mais tão "anormal"! Pois vendo 9 pessoas de 10 me fazendo a fatídica pergunta, eu tinha a impressão de ser um ET, a única pessoa da face da terra que tinha essas dúvidas... E a pessoa mais egoísta do mundo!
Como eu disse, se fosse no Brasil talvez eu já tivesse decidido, pois lá tenho a minha mãe e minhas irm~s, se um dia quisesse sair com meu marido elas não se recusariam de cuidar do bebê, mesmo o fariam com o maior prazer! E a mesma coisa para o trabalho... sempre teria algué que poderia eventualmente levar ou buscar na creche ou escola... Na minha família todo mundo se ajuda! Mas aqui "nazoropa" todo casal se vira, ou então tem que ter dinheiro e encontrar alguém de confiança, o que nem sempre é fácil!
Estou sem tempo de responder individualmente os comentários (todos muito úteis e pertinentes!), assim que der respondo, tá? Abraços

Renata Senlle disse...

Seus medos são absolutamente normais. Antes de eu decidir ter filhos eu questionava a mesma coisa! Eu pensava: vou ter que abdicar de viagens, do cinema?
Mas um dia pensei, ta aí uma viagem que eu não posso deixar de viver: a maternidade. A vida certamente muda, não temos mais a disponibilidade pra fazer as coisas na hora que queremos. Mas realmente, tudo isso fica em segundo plano. O foco muda. É difícil visualizar isso sem ter um filho, eu sei, parece que estamos tentando convencer o outro a entrar pro nosso time! rsrs
Mas se me falassem: vc vai ter um filho e nunca mais vai ao cinema, eu toparia numa boa! Não há medida que dê conta de mensurar a felicidade que é o sorriso de um filho, um cheiro no pescoço, vê-lo dormindo, se desenvolvendo a cada dia!
Mas ainda bem que não tenho que optar e, com certo jogo de cintura, é possível manter alguns programas da vida pré-maternidade! A questão é: duvido que vc ainda vai achá-los tão importantes assim!
bj
Rê Senlle
http:umavidamaisordinaria.blogspot.com

Mi disse...

eu tinha as mesmas duvidas... tudo q posso dizer eh q ter meu baby super enriqueceu minha vida, e esta sendo muito mais facil do q eu imaginava (por sorte tenho ajuda da mae e sogra nos primeiros 5 meses). continuo c uma vida romantica c meu marido, saimos a dois, e trabalho muito ( estou mais realizada profissionalnente por ter mudado de firma) . tempo a 2 diminui? claro. baby dah trabalho? bastante. mas estou super feliz e realizada. a proposito, nunca senti " o " chamado. resolvi encarar por causa da minha idade (engravidei c 34) . e eh verdade, qto mais velha, mais complicado fica ter bebe. eh um fato biologico. tudo q posso dizer eh: se nao quiseres ter, ok, mas caso queiras eh uma coisa fantastica.

Rhana P disse...

Maravilha esse post para quem vive os mesmos dilemas. Eu tô me preparando pra chegar em terras fracesas, pausa na vida profissional e essa questão me atormentando. É bom saber que não sou a única! Abraço