sábado, 26 de outubro de 2013

Manual prático de boas maneiras na França

Não é novidade que muitos brasileiros têm uma imagem bem negativa dos franceses, principalmente dos parisienses, na ocasião de sua passagem pela capital francesa.

Tenho visto ao longo desses meus 5 anos na França o outro lado da moeda. Os franceses têm muitos defeitos e não são exatamente referência em educação, mas eles possuem seus códigos, e então o estrangeiro que não respeita o básico desses códigos e fórmulas acaba passando por uma pessoa muito desagradável (justamente quem pensa que os franceses é que são desagradáveis).

Claro que ninguém nasce sabendo, mas acredito que uma boa observação do ambiente já nos fornece bons indícios de como nos comportarmos. Foi isso o que sempre me fez me virar em diversos países do mundo, mesmo quando havia uma grande barreira da língua.

Alguns pontos sensíveis:

- Dizer e responder ao "bonjour"
Em estabelecimentos administrativos, comércios, restaurantes, na verdade em qualquer lugar aqui, costuma-se dizer "bonjour" antes de toda e qualquer coisa. Infelizmente tenho percebido que os nossos conterrâneos não são acostumados a saluar "desconhecidos". Já ouvi de "amigas" que sempre foram "educadas", ao entrar em uma loja francesa, que não vão responder a um subalterno! Essa semana vi uma vendedora saluar com um "bonjour" um grupo de brasileiras, que ignoraram completamente (não responderam e nem olharam), aí a vendedora repetiu em inglês... Uma das brasileiras disse, bem grossa: "a gente se conhece?"
Se o "cliente" aqui ignora seu interlocutor, pode ter certeza que o mesmo não terá a mínima vontade de ajudá-lo, fazendo seu trabalho de forma mais impessoal possível.

- Falar alto
Eh conhecido aqui na França que brasileiros falam alto e todos ao mesmo tempo a ponto de atordoar as pessoas ao redor. Uma vez uma brasileira me disse que isso não era sinal de má educação. Bom, na minha família falamos alto, mas a minha mãe sempre nos ensinou que em casa e no meio do mato podemos falar como quisermos, mas que em locais públicos ou que temos que dividir com os outros, temos que moderar o tom. Para mim o respeito é reconhecer que não estamos sozinhos no mundo e que falar alto incomoda sim.
Falar alto e rir alto em restaurantes calmos, museus, igrejas, qual o sentido?

- Por favor
Os brasileiros não se sentem confortáveis em dizer "por favor, s'il vous plaît ou please"... Raramente ouvi isso de algum brasileiro aqui na França. Parece que na nossa cultura isso é sinal de "rebaixamento", enquanto na França é sinal de respeito. E aqui na França, isso é primordial no contato com o outro. Desta forma, se a gente pede algo sem usar essas fórmulas, o interlocutor pensa direto que está diante de uma pessoa muito mal-educada e EXTREMAMENTE desagradável que não merece nenhuma simpatia da sua parte.
Mesmo em inglês tem brasileiro que diz "I want" ao invés de "I would like"... Razão suficiente para receber um tratamento seco e ríspido.

- Pedir informação
Muito brasileiro (ou estrangeiro em geral) fica muito bravo quando pede uma informação e o outro responde que não sabe. A mania de perseguição lhe faz acreditar que o francês sabe, mas não quer dizer, por pura maldade. Já pararam para pensar que simplesmente ele não saiba??? 
Todos os dias me interrompem na rua para perguntar onde tem banheiro, mas eu não conheço os endereços dos banheiros públicos de Paris. Quando preciso, vou a um café ou algo do gênero. Tem lugares em que mesmo os franceses se sentem meio perdidos, como na região de Chatelet, que é um verdadeiro labirinto. Então, explicar a alguém que não fala nem francês nem inglês que tem que seguir 200 metros, dobrar à esquerda, depois à direita 3 vezes, atravessar uma praça... Pode ser muito complicado.

Ontem me perguntaram na Champs Elysées onde tinha uma joalheria. Disse que tinha várias ao longo da rua e que não sabia exatamente onde. A americana ficou furiosa, disse que eu iria fazê-la andar para cima e para baixo só porque eu não queria dizer! Respondi um tom mais grosso que o dela que não costumo ir nas joalherias dali, nunca entrei em nenhuma, mas que tinha certeza que no caminho em direção ao Arco do Triunfo ela poderia encontrar Cartier. Ela foi embora bufando (dizem que os franceses são especialistas em bufar) e me xingando. 
Quantas vezes também já vi brasileiro perguntando ao vendedor quanto custa um determinado produto em REAL ou então em dolar. Quem aqui vive ganha e gasta em euro, a cotação das moedas estrangeiras interessa somente para quem vai viajar ou tem negócios no exterior. Melhor andar com uma calculadora e com a cotação do dia, se quiser converter!
Isso também vale para a tax free (détaxe). A lei é clara, o cliente tem que comprar 175.01€ ou mais na mesma loja e no mesmo dia. Não é má-vontade do vendedor ou da loja que não quer fazer a détaxe para você!

- Escada rolante
Não só brasileiros, mas turistas em geral têm muita dificuldade em usar corretamente as escadas rolantes. Não me lembro quem me disse, mas desde a minha adolescência eu sabia que as escadas rolantes são geralmente largas não para que o casal suba de mãos dadas, mas para que de um lado fique quem segue o ritmo da mesma, e de outro quem quer ir mais rápido. Aqui na França é isso. Se a gente olhar só um pouquinho vamos ver que todo mundo se concentra no lado direito, e o esquerdo fica livre para quem está com mais pressa. E as pessoas usam mesmo! 
Mas porque tanta pressa, você diria? Eh realmente tão urgente? Por que a pessoa não saiu de casa 15 minutos mais cedo se está tão apressado?
Eu respondo que quando chego em casa às 22h30, prefiro chegar às 22h30 e não às 23h porque alguém bloqueou a escada rolante e isso me fez perder o ônibus por 2 segundos, resultando em uma espera de 30 minutos pelo próximo (o que aconteceu 2 vezes na semana passada).
Geralmente as pessoas aqui fazer várias correspondências de metrô, e se a cada vez elas perdem o seu transporte, no final do dia isso representa muito tempo perdido.
Algumas pessoas me falaram que nunca tinham pensado nisso, pois no Brasil só conheciam escadas rolantes de shopping, onde ninguém estaria apressado. Mas você já pensou que para 200 lojas de 5 funcionários são mil pessoas que ali trabalham? Então tem muita gente que não está ali por prazer, mas tenho certeza que muita gente não pensa nisso e sou meio radical para dizer que aí está mais um problema que é a dificuldade de se colocar no lugar do outro. Se a gente está passeando, esquece que tem muita gente que vive disso.

- Segurar a porta
Aqui se costuma segurar a porta para a pessoa que vem atrás... Mas se espera que quem vem atrás pegue a releva. Ou pensam que ele segurou a porta porque é porteiro?

- Horários
Se um restaurante (ou loja, etc) diz que fecha às 22h30, não dá para chegar às 22h30. Quer dizer simplesmente que nesse horário o serviço tem que estar terminando. No início eu me indignava muito com isso, mas agora entendo: é um respeito para com o ser humano, o funcionário que tem outras responsabilidades. 

- Idosos
Muita gente diz que na França não se respeita os idosos e que por isso os franceses não podem dizer nada em termos de "educação". O que acontece é que aqui na França o número de idosos é extremamente alto e normalmente eles estão em boa saúde. Idosos de 70 anos praticam esportes, longas trilhas (sobem na muralha da China tranquilamente com mais facilidade que um jovem). Então se pensa que se a pessoa é aposentada e em boa saúde física ela pode esperar como todo mundo na fila. 
Mas vejo muita gente deixando lugar nos transporter para pessoas idosas... Mas geralmente são pessoas que se mostram um pouco debilitadas, não o idoso super-em-forma.

- Espaço
Se não tem lugar livre, todo mundo anda apertadinho. Mas quer irritar muita gente é sentar ao lado de alguém quando o ônibus ou vagão está vazio.
Outro dia acordei de pé esquerdo e troquei de lugar quando uma mulher veio se sentar ao meu lado: tem 13 lugares vazios no vagão e essa senhora vem justamente se sentar ao meu lado?????

Para finalizar, tem muito brasileiro que acha que a melhor cerveja é brasileira, o melhor vinho, o melhor chocolate, assim como a melhor pizza e até o melhor "pão francês". Para esses, eu me pergunto se viajar vale todo esse sofrimento...

17 comentários:

Bruxa do 203 disse...

Brasileiro adora dizer que só o que é daqui tem qualidade, que a comida, cerveja, etc do Brasil são as melhores do mundo. Às vezes não entendo por que viajam.

Aqui em Porto Alegre as pessoas também têm essa mania de exigir "bom dia". Pode ser no ônibus, nas bibliotecas, até na rua os desconhecidos dão bom dia. Acho meio chato, mas enfim...

Isso de ficar grudado também se usa muito por aqui. Tem todo o espaço do mundo, mas a pessoa senta bem onde você está, fica na fila praticamente grudada em quem está na frente. Às vezes dá vontade de chutar. rs

Essa da porta acontece diariamente. A pessoa que vem atrás NUNCA segura. Já soltei a porta em muita gente folgada!!!!!!!!

Rebeca Brown disse...

AMEI!!!

A verdade é que o o Brasileiro é simplesmente MUITO mal educado, mesmo! Moro nos EUA ha 17 anos e toda vez que vou ao Brasil visitar minha familia, morro de raiva com as coisas que vejo lá!

O Americano diz thank you para TUDO. Quando se pede no restaurante, se fala "May I have..." coisas que o Brasileiro nao faz!

O Brasileiro, em geral, NAO trata bem as pessoas que servem tipo garçom, faxineira etc. No EUA tratam bem, sim. Quando agente sai pra comer por aqui com um Brasileiro recem-chegado, da até vergonha pelo jeito que ele trata o garçom. Faz cara feia, vira a cara logo depois que o pedido foi feito, nao diz obrigado por nada, faz sinal com as maos e ate com a boca pra chamar o garçom do outro lado do restaurante, e principalmente NAO da uma boa gorjeta!!! Eh bem chato agente sempre ter que explicar para um recem-chegado que aqui nao se trata garçom como se ele fosse um servo qualquer.

Outra coisa eh a da escada rolante. Nao sabem usar no Brasil. Como eu MORRO DE RAIVA quando vou ao shopping no Brasil!!!! O Brasileiro é espaçoso demais. Voce anda no shopping e sempre tem que diminuir o passo porque na sua frente tem uma familia de 3 tomando espaço de uma família de 7.

Bem, eu AMO AMO AMO meu Brasil e tenho maior orgulho de ser Brasileira, mas me da MUITAAAAAA raiva quando o Brasileiro reclama pra lá e pra cá que o Americano é "Frio" quando o Brasileiro, em geral, é um povo que nao sabe tratar desconhecidos e principalmente nao sabem interagir com pessoas que tem trabalhos da área de "servir".

Fui ja a Paris e achei o povo super amoroso e jente boa! O Taxista entao, de graça nos deu um tour pelos pontos turisticos. QUando passava, contava a historia e a significancia do ponto turistico (Nessa epoca eu falava um otimo francês).

O brasileiro que é chato mesmo :) se acha o povo mais gente boa e limpo do mundo, e isso simplesmente nao é verdade. sempre, sempre, SEMPRE achei os Brasileiros bastante grossos comparado com os Americanos

Day disse...

Milena, estive apenas uma vez em Paris, em julho de 2010, durante os dias que fiquei por lá não tive problema nenhum com os parisienses, mas presenciei um grupo de três mulheres brasileiras (dentro do Louvre) falando nas alturas e rindo mais alto ainda. Um dos seguranças chamou à atencão delas colocando o dedo nos lábios fazendo aquele famoso sinal de silêncio, mas elas o ignoraram... ele fez isso acho que duas ou três vezes e no final precisou ir até elas e, lógico, não foi nem um pouco educado. Eu saí rapidinho de perto porque não queria que ele pensasse que eu fazia parte do grupo. O falar aos berros em locais públicos é uma das manias que eu mais detesto, mas por incrível que pareça já passei alguns perregues por causa disso, por estar em companhia de pessoas que não percebem que é uma super falta de educação sair falando aos berros por aí.
Adorei o seu texto, é bem assim mesmo!
Beijos

Wilma Santos disse...

Nossa!! é isso mesmo? brasileiro tratar mal garçon!! Não estou reconhecendo esses brasileiros. Até concordo que brasileiro fala alto, gesticula muito, mas não sabia que tinha essa fama toda por aí. Euzinha quando fui a primeira vez a Paris fiz questão de saber de alguns códigos, um que eu já sabia é que não se usava calça jeans, e como eu nem gosto muito, não usei e nem pedir informação em inglês;decorei várias frases, o bonjour e s'il vous plaît na ponta da língua. É o mínimo.

Amour Cafuné disse...

Nossa, Mi... é bem isso! rsrsrsrs.
Bju grande
Joanna

Milena F. disse...

Wilma, para o brasileiro talvez ele nem note que está sendo visto como mal educado quando fala com um garçon. Aqui garçon é tratado como "Senhor" (Monsieur) como o cliente, ele não é chatamado estalando os dedos ou com assobio... E espera que os clientes usem Por favor e obrigada com ele... O que não tenho notado ue faça parte dos códigos de boa parte dos brasileiros.

Eliana disse...

A minha mãe sempre me dizia quando eu era pequena que existem palavrinhas mágicas: "Bom dia", "por favor"e "obrigado". Pra que eu nunca me esquecesse delas, onde quer que eu fosse! Me assusto quando vejo pessoas sem o mínimo de cordialidadade para com o seu próximo e abomino os que se acham superiores. É cada uma. Boas maneiras vem do berço.

Wilma Santos disse...

Até aqui mesmo no RJ é visto com maus olhos chamar garçon estalando dedos e assobiando, nem mesmo em botequim, lógico que tem sempre "aquele", e geralmente anda em bando, mas é feio. Em Paris eu preferia me dirigir quando necessário as mulheres porque é mais fácil falar "bonjour madam" do que "Monsieur", normalmente nos ônibus, às raras vezes q precisei perguntar na rua(motorista) tive a sorte da pessoa ser de Portugal, aí ficou fácil. Amei Paris!! e quero passar um tempo maior por alguma cidade mais, por isso estou sempre por aqui aprendendo com você,rsrsrs. Muito legal saber que você faz a diferença e alivia a nossa fama. Obrigada por compartilhar.

Kellen Bittencourt ( Trilhamarupiara) disse...

Olá Milena, ainda não estive na França mas vou lembrar de passar por aqui p pegar estas dicas quando eu for, não vou ficar com vergonha de dizer "por favor, s'il vous plaît ou please" rsrsr Estou aqui de novo programando a viagem p China p o ano que vem, como eu tinha te dito esse ano não rolou e eu acabei indo p Londres, agora retomei novamente os planos p Agosto de 2014 aff Bjooss

Flavia disse...

Milena, moraria em Paris fácil rs, me identifiquei com os franceses rs....Beijocas!

beatris disse...

Gente, acho q moro num lugar diferente do Brasil então. .. pq tirando o caso das escadas rolantes não vejo os outros itens com frequencia! Bom, se for assim vou me dar bem em paris!! To chegando!!

disse...

Nossa! Honestamente, não tenho o hábito de comentar, mas esse texto me deixou tão revoltada que tive que vir dizer: Que mulher mais AZEDA!!!!
Não é de se admirar que seja praticamente uma francesa!
Ou você viveu em outro Brasil, ou viveu rodeada de gente tão azeda e sebosa quanto você.
Não tire seus "amigos" como uma nação inteira. Gente sem educação existe, mas vejo mil vezes mais pessoas boas e gentis por aqui. Mas é claro, se você já chega para uma pessoa que simplesmente sentou ao seu lado em um vagão sem saber se ela estava se sentindo sozinha, em um dia ruim ou mesmo com medo e já praticamente manda ela se f*der, não vejo como uma pessoa como você irá extrair o melhor dos outros.
Como dizia o sábio Gentileza: "gentileza gera gentileza".
E uma boa noite.

lilian disse...

O Brasileiro é um povo que não gosta de ter boas maneiras e tem até inveja de quem as tem! Infelizmente essa é a realidade! Vejo isso inclusive aqui na empresa onde trabalho pois nunca vi dar uma promoção para uma pessoa que não sabe comer de boca fechada e grita com os outros quando pede lhe pede alguma coisa, lamentável isso!... Parabéns pelo blog! Parabéns por você ser essa pessoa maravilhosa que demostra ser! Muito sucesso e não ligue para certos comentários de certas pessoas mal educadas! Azeda é ela! Tudo de bom para você!

Anônimo disse...

Achei interessante. Vivo na França a 2 anos mas sempre morei em uma "village" minúscula perdida no mapa e minha experiência é consideravelmente diferente da sua. Não digo que gosto mais de morar na França que no Brasil mas certamente tem vantagens que me causam preferir ficar na França. O Brasil poderia ser o melhor país do mundo... Ah se os brasileiros pudessem acreditar nisso! Corrupção deveria ser punida sem misericórdia e educação (não falo apenas de conhecimento) deveria ser alta prioridade!

Milena F. disse...

Espero mesmo que essa realidade esteja mudando no Brasil, mas não é isso que tenho visto a cada vez que visito a terrinha (e procuro sempre conhecer lugares diferentes por lá). Quandos pensam que a gente tem dinheiro para distribuir sem contar são todos cheios de sorrisos e atenção, mas quando vêem que não é bem assim, o sorriso e a paciência acabam...

Anonima que mora na França, você tem razão em salientar que educação (de tyodos os tipos) deveria ser prioridade no Brasil, assim como temos que reverter essa história de corrupção!
Você poderia explicar melhor como é a sua experiência aqui na França? Serve para ilustrar que não existe "uma" experiência na França, mas elas são tão diferentes!

Andréa de Azevedo Freitas disse...

Sempre tomo cuidado com essa questão da escada e da esteira rolante, dentro e fora do Brasil. Mas houve um dia em que eu estava mais cansada e distraída, em Chatelet, aonde há uma esteira rolante enorme e, sem querer, bloqueei parcialmente a passagem. Um francês mega estúpido me atropelou pra passar, como se eu fosse um objeto inanimado. Nesse dia magoei feio e desejei que ele tropeçasse e quebrasse um dente da frente. E por várias vezes vi idosos, gestantes e senhoras com crianças de colo ficarem de pé no metrô e ninguém se mexer pra dar o lugar. Os homens até fecham os olhos e fingem dormir. Cedi o meu assento várias vezes, não porque eu seja melhor do que os outros, mas porque estou acostumada a fazer isso no Brasil. Pra mim esse comportamento egoísta já é mais que falta de educação: é o fim dos tempos.

Anônimo disse...

Genearalizou. Sempre dou bom dia, no Brasil ou na França, e nunca fiquei sem resposta. Gente grosseira tem em todo lugar do mundo, não estou falando de educação formal.