quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Dijon: arquitetura e patrimônio

A maioria das cidades francesas (se não todas), teve a arquitetura ao longo dos anos  fortemente influênciada pelas construções religiosas. Então sempre encontraremos uma quantidade enorme de igrejas católicas e outros lugares que refletem a importância e poder desta igreja em uma determinada época. Mas não é necessário ser simpatizante muito menos fervoroso para apreciar as suas belezas!

Em Dijon não é diferente. Eh diferente do ponto de vista do detalhe, pois olhando atentivamente uma construção jamais é igual a uma outra. Para as pessoas com menos senso do detalhe talvez tudo pareça igual, mas seria como dizer que a a Santa Ceia de Leonardo da Vinci é igual a todas as outras representações que vemos por aí. E para quem gosta de arquitetura e mesmo não sendo religioso consegue ter uma noção dos detalhes e do trabalho necessário para chegar a um resultado, então é impossível não admirar o efeito.

Le Puits de Moïse (Poço de Moisés)
Eu queria muito visitar, mas confesso que não foi fácil, pois fica fora do centro da cidade. Quando pensamos ter chegado ao bom local, nos deparamos com essa porta antiga e fechada:
Mas não desisti, e meia hora depois tinhamos feito a volta e estávamos na entrada de um hospital. Para a nossa surpresa, ele fica dentro do que hoje é um hospital.

O que é chamado atualmente de Poço de Moisés é uma escultura de quase 7 metros de altura, no meio de um reservatório de água alimentado por um lençol freático. Nela estão esculpidas estátuas de 6 profetas do Antigo Testamento: Moisés, Isaías, Daniel, Zacarias, Jeremias e David. Entre eles, 6 anjos manifestando através de suas expresséoes ou gestos a dor da paixão. Antigamente o local todo era um cemitério "quadrado", com essa grande escultura no meio, pertencendo a ordem religiosa dos Chartreux (um tipo de monge que vivia recluso, sem contato com o mundo externo). O Duque de Bourgogne que ordenou a construção queria que abrigasse a sua tumba e 24 monges deveriam rezar no silência e solidão pela sua alma!!!





As esculturas, construídas entre 1395 e 1405 por Claus Sluter (assistido por seu sobrinho e outros colaboradores), estão entre as mais impressionantes do fim da Idade Média pela sua força e movimento, assim como o realismo dos rostos e roupas. A policromia que podemos observar em alguns detalhes é de 1402!!!

Na mesma época foi construída uma capela, da qual só resta o portal:

Mais tarde a Bourgogne foi anexada ao reino da França (1477) e em 1833 resolveram construir um "asilo de alienados" no local. Atualmente é um hospital. A Capela que existe no lugar da antiga é do século XIX.

O ambiente é mágico, a senhora que recebe os turistas é um encanto, conversamos durante quase uma hora, ela explicando cada detalhe, depois ficamos falando de viagens. E tudo isso nessa calma, tendo como única companhia os esquilos! A maioria dos turistas ainda não descobriu essa preciosidade!


Encontramos em Dijon a Igreja Notre-Dame (Nossa Senhora), construída no século XII, com uma série impressionante de gargouilles e suas caretas bem originais. O Jacquemart (personagens que marcam as horas batendo no sino) marca todas as horas desde 1383.

No interior encontra-se uma das mais antigas estátuas de madeira da Virgem encontrada na França. Essa é do século XI, feita em madeira de cedro, de inspiração bizantina. Na igreja existem as fotos de como ela é de fato, mas pelo que entendi eles a cobrem de roupas em tecido. Cinco vitrais são de origem,datando de mais de 700 anos!





Catedral Saint-Bénigne
Na antiga cripta teria sido descoberto o sarcófago desse sabto, por muito tempo o preferido dos Dijonnais (conta-se que cada família contava com um filho com esse nome!), até que recentemente as más línguas dizem que provavelmente ele nunca existiu!

 O chocher é o mais alto da cidade, elevando-se à 93 metros. O carrillon é compostos de 63 sinos.
O estilo é típido gótico  bourguignon. 


Igreja Saint-Michel
Foi construída para ser uma capela funerária, seguindo a prática da idade média, e São Miguel na tradição cristã é aquele que conduz a alma à Deus (foi isso o que uma das beatas me explicou!)
Sua fachada é muito interessande, misturando de forma interessante os estilos gótico e renascença, próprio à época em que foi construída, quando as influências italianas estavam chegando na Bourgogne.






Essa outra aqui não lembro o nome, mas ela foi toda destruída e só sobrou a fachada! Do outro lado foi construído um prédio que é uma delegacia de polícia!

Também achei interessante que várias ingrejas foram transformadas em museus (falta de fiéis e de padres!), mas uma delas foi transformada em teatro! Algumas pessoas criticam esse uso alternativo ao patrimônio religioso, mas eu acho bom! Desta forma prédios tão bonitos continuam sendo consevados!

7 comentários:

Suzala Moura disse...

Nossa, que lindo, Milena!! E eu que sou historiadora, babooo....lindas imagens, lindo post...muitas informações úteis! adorei..beijos

Mikelli disse...

Tem gente que acha lindo, mas eu tenho que confessar que detesto! haha pelo simples motivo de ter medo de estátuas ;) pois é, pra mim essas igrejas ou estilo arquitetonico me dão medo! bjs!

Vanessa B. disse...

Hummmm!!! Me deu uma vontade de conhecer Dijon!!! Você fez tudo isto em um só fim-de-semana??? Bjs.

Gisley Scott disse...

Arquitetura super caprichada,viu?
Gostei muito da senhora, que pela sua descrição pareceu-me mais uma fada madrinha :)!

Bjs

Vanessa à Paris disse...

Sabe com o que eu babo?
Com suas viagens, voce nao para :)

Milena F. disse...

Suzala, esses passeios são melhores aproveitados por quem ama a Historia!

Mikelli, eu até sinto um medinho quando a iluminação é fraca ou inexistente e não tem muita gente! Mas adoro! Sinto-me num cenario de filme como "O nome da Rosa"!

Vanessa B, foi apenas um final de semana, chegamos sabado pela manhã e voltamos no domingo à noite. Geralmente visitamos as cidades pequenas em um final de semana e achamos bom.

Gisley, em Dijon encontramos pessoas encantadoras em todas as esquinas! A sorte foi que meu marido estava mais concentrado em fotografar e eu (que não sou muito "conversadeira") fiquei encarregada de conversar com as pessoas. Se ele decidisse conversar, não teriamos tido tempo de fazer nem a metade das coisas!

Vanessa Paris, tentamos fazer uma viagem (de final de semana) por mês, é o nosso acordo, mas sou eu a ministra do turismo aqui de casa e de vez em quando ultrapasso o orçamento! Desde que econtro uma data livre e preços bons, não resisto!

Suzala Moura disse...

Milena, vc está certa...o plano de saúde cobra muito pra a gente, mas repassar aos profissionais que é bom, nada...é um mal necessário...então, o meu médico já falou sobre a placa nos dentes e eu ja estou marcada com um dentista na quarta à tarde...ando sofrendo bastante com esse problema e é incrível quando a gente percebe que coisas do nosso passado que a gente achou que resolveu bem ainda voltam com força total..interessante é que estou na melhor fase da minha vida: profissional, pessoal, tudo ok...tive uma infância difícil, com eventos traumáticos e isso vem à tona com sonhos repetitivos e eventualmente, essa ansiedade que me pega e tenta me afundar...e vc tem razão de novo: vou pagar o profissional sim, mas ainda assim eu vou fazer o plano de saúde cumprir o que está no contrato...pq vou te dizer: é difícil, viu?? ô empresa pra ter dificuldade de cumprir o prometido...aff...beijos!