segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Golpes aos turistas

Com o aumento desenfreado do turismo pelo mundo afora, também tem aumentado o número de golpes aos turistas. Uma forma para os espertinhos de ganhar dinheiro fácil, mas você não será a próxima vítima, não é mesmo?

Seguem aqui alguns golpes que tenho presenciado por aí:

Paris:

- Golpe da pulserinha: sobretudo perto da Basílica do Sacre-Coeur encontraremos diversos homens de origem africana super-simpáticos (no início) que nos param e rapidamente começam a "fabricar" uma pulseira da sorte direto no nosso pulso. Mas no final eles pedem um preço absurdo, 20€ por exemplo! Você não quer dar e eles começam a ficar agressivos e não largam o nosso braço, e aí no final a gente acaba deixando algum dinheiro para conseguir partir livremente.
O melhor é evitá-los, não dar conversa e não deixar tocar em você! Cortar o mal pela raiz.

- Abaixo-assinado: perto da Torre e de outros pontos turísticos vamos encontrar meninas/mulheres geralmente magrinhas, de saia longa e com um lenço enrolado no pescoço. Elas perguntam se falamos inglês e nos pedem para assinar algum abaixo-assinado em favor de alguma causa que parece nobre, mas são falsas associações e o dinheiro nem fica com essas meninas, mas sim com seus exploradores, verdadeiros mafiosos. Muitas elas elas se fazem passar por surdas-mudas.
Se você fica tentado a dar alguns euros a elas, é bom levar em con sideração que enquanto esse tipo de golpe funcionar, elas continuarão a serem exploradas!

- Anel: pode existir diversas variações, mas geralmente será uma mulher que se aproxima e diz que você deixou cair o anel de ouro, e como está devolvendo esse anel, pede uma compensação financeira...
Bom, essa pessoa anda com diversos desses anéis que não valem nem 10 centavos e aplicam esse golpe à turistas desavisados...

- Jogo dos copos: um grupinho se lançando com muita rapidez em um jogo em que um embaralha os copos e os outros (cúmplices) fazem de conta que acertam e que ganhyam muito dinheiro! A gente vê as notas de 50€ passando de mão e não e os ingênuos podem tentar ganhar também! Já observei muitas vezes, eles são todos do mesmo grupinho e se movem sempre em grupo, são cúmplices com o único intuito de tirar dinheiro dos turistas. 

- Terrasses dos cafés: não é exatamente um golpe mas é importante tomar muito cuidado ao sentar em uma terrasse para tomar um café, beber um aperitivo ou comer. Não perca sua bolsa e outros objetos importantes de vista, os espertinhos estão por ali em busca de uma oportunidade de roubar!
Eu uso sempre uma bolsa daquelas que se porta atravessada, e ela fica ali comigo e não tiro para me sentar, se for em lugares abertos! (mas cuidado também no café da manhã dos hotéis...)

China: 

- Jovens com boa desenvoltura em inglês puxam conversa e depois propõe de nos levar a uma casa de chá ou simplesmente sentar e beber alguma coisa. Golpe na certa! Eles nos levam a um lugar onde recebem comissão e os preços são 10 vezes mais caros que os preços "normais"! 
Também dizem que em casos mais graves, seguranças bem fortinhos nos impedem de ir embora!
Quase caímos nesse golpe em Pequim e fomos abordados outras duas vezes em Shanghai. A nossa estratégia é sempre ser simpático, sorrir mas não dar conversa. 

Tailândia:
- A pior praga de Bangkok e outras cidades tailandesas são os motoristas de tuk tuk, uma pena, pois o conceito de se locomover em um meio de transporte desses é muito legal! Porém já é conhecido que eles vão nos pedir um preço absurdo, dizendo que o lugar onde queremos ir é muito longe (quando as vezes dá para ir em 15 minutos a pé), ou então um preço barato, mas eles não nos levam ao lugar que pedimos! Nos levam a lojas ou outros lugares onde recebem comissão, e aí não sabemos onde estamos e ficamos completamente refém desses motoristas!

- Também somos abordados pelos mesmos ou outros passantes, que puxam conversa e dizem que o lugar que queremos visitar está fechado naquele momento e nos propõe a visitar outra coisa. Fomos abordados 2 vezes em Bangkok, uma por um senhor que se dizia policial de folga e outro professor em uma escola para monges. Ambos com aparência bem respeitável e inspiravam confiança, fizemos de conta que acreditamos no quediziam, mas que iriamos só dar uma volta no bairro. E nos dois casos os locais que eles diziam fechados, estavam abertos (tinhamos verificado bem antes em um guia de viagem).

- Motoristas de taxi e de tuk tuk podem dizer que o hotel ou restaurante onde queremos ir está fechado (reformas, etc) e eles nos leva a outro. As vezes nem é mais caro, mas simplesmente de um "amigo" de quem ele recebe comissão!

Egito:

1€: Os vendedores lançam um preço bem em conta, como 1€, a gente dá o dinheiro e ele diz que a gente entendeu mal, que era 10€, a coisa mais ridícula que já vi!!! E isso por um objeto que realmente não vale mais do que 1€. Mas o problema é que o dinheiro que a gente deu (1€, por exemplo) desapareceu, o vendedor já guardou e não devolve! Quando isso aconteceu conosco pela primeira vez, sem ter o dinheiro de volta, meu marido pegou a estátua e fomos embora sem olhar para trás, o que pode ser muito arriscado, não aconselho ninguém a fazer isso. Depois disso a gente insistia mostrando o dinheiro sem dar, e pegávamos primeiro o artigo para dar o dinheiro depois.

Moedas: vamos encontrar em todos os cantos pessoas que nos pedem para trocar moedas de euro (mas vai ver pode ser de dolar também) por notas. Na verdade eles ganham muita gorjeta em moedas, mas elas não podem ser depositadas no banco, e por isso eles pedem aos turistas para trocar.
Porém cuidado se quiser fazer essa boa ação: verifique que as moedas que está recebendo em troca das notas são verdadeiras!!! Uma vez conosco nos deram moedas de 1€ completamente falsas, tão leves que pareciam de plástico e mal impressas! Mais uma vez meu marido fez um escândalo, disse que chamaria a polícia turística e o homem apareceu com moedas verdadeiras... Mas melhor não contar com a sorte, a gente nunca sabe com quem estamos lidando e presenciamos diversas brigas e violências entre vendedores ambulantes (inclusive por minha causa pois segundo um dos vendedores eu teria prometido visitar a loja dele mas estava comprando com o outro! Eles começaram a brigar feio e sair no tapa, até que mais uma vez o meu marido disse que se eles não parassem a gente não compraria nada, nem com um nem com o outro. Se eles quisessem, que compartilhassem os ganhos. Eles resolveram parar com aquela violência toda).


Países pobres em geral:

O turista que vive uma condição econômica melhor é confrontado com situações de extrema pobreza e tem tendência a dar esmola. Por favor, que fique claro que esmola não resolve problema nenhum! Dar esmola à crianças as incentiva a não ir à escola e a se profissionalizar em "pedir esmola", como é muito comum na India e no Egito, para citar apenas dois países, mas eu poderia citar outras dezenas e dezenas.
A mesma coisa é dar esmolas a um adulto, pois ao invés de valorizar que ele ganhe dinheiro pelo seu trabalho, o turista corrobora a idéia de que é mais simples ganhar a vida sem trabalhar.

Se realmente você quiser dar algum dinheiro, que seja para alguém que realmente mereceu, uma pessoa que o ajudou ou que realizou ótimos serviços, por exemplo. Mas recompensar alguém que disse que  rua X é a próxima à direita? Que mundo é esse em que as pessoas só dão informação esperando uma recompensa em troca?


Agora é a sua vez: 
Você já foi vítima ou conhece algum outro golpe e gostaria de compartilhar?
Seja bem-vindo!

4 comentários:

Luana disse...

Cair em golpe eu nao cai, mas ja quase! Especialmente os que voce listou em Paris... UM SACO!
Vou pensar melhor... Nao me lembro de nenhuma alem dos listados... Ser atacada por gente louca vale como "golpe"? hahahaha
Tinha os beduinos na Jordania que queriam me sequestrar ou me "comprar" por alguns camelos.

Eliana disse...

Milena, aí em Paris tentaram fazer com que assinássemos este abaixo assinado. Aliás tinha muitas moças lá embaixo da Torre Eifel. Nos abordaram várias vezes do jeito que você falou aí rs mas quando a gente bateu o olho no papel todo amassado, tudo muito esquisito. Claro que a gente não colocou os nossos nomes lá, afinal o que eles fazer com aquilo? Tem que ficar esperto mesmo. Ahhh também nos ofereceram ingressos na porta do Louvre...o povo tenta de tudo mesmo.

Sandra disse...

Já vi o golpe da pulseirinha sendo aplicado em Firenze. Lá também está cheio de gente que fica abordando turistas para aplicar esse golpe.
Em Salvador na Bahia, isso acontece com as tais fitinhas do Senhor do Bonfim. Primeiro eles querem te "dar" algumas dizendo que é cortesia e tal, ai se você aceita começa o golpe deles pedindo dinheiro e não querendo aceitar de volta a pulseira (pode ser colarzinhos também). O jeito, como vc mesma citou é não dar trela, cortar mesmo o mal pela raiz. Eu me sinto tão acuada nestas situações e me dá muita raiva disso, de não poder fazer o meu passeio em paz!

naterradaluavirada disse...

Em Paris tentaram me pegar com essa história do anel, mas já saquei na hora que era golpe - mesmo porque eu não tinha deixado cair anel nenhum, então por que iria aceitar o anel que aquela senhora estava me oferecendo? O da pulseirinha também não colou comigo porque eu sou desconfiada e nunca deixo ninguém me tocar, ainda mais sendo homem. Quando eu estava indo pra Sacré-Coeur os vendedores de pulserinha até tentaram, já chegavam tentando pegar no meu pulso e eu reagia como se tivessem tentando me sequestrar! Hahahah!

Já nesse do abaixo assinado eu caí, que ódio! Foram os 5 euros mais mal investidos da minha vida... :(

Já em Buenos Aires, o próprio garçon do café em frente ao meu hostel tentou me roubar. Paguei a conta, ele pegou minha nota com a mão que estava ocupada com um bolinho de dinheiro, trocou rapidamente a minha nota por uma falsa e tentou me fazer acreditar que a nota que dei pra ele era falsa. Graças a SANTA INTERNET, eu já tinha lido sobre esse golpe em BAires, ele é aplicado geralmente com as notas de 100 pesos. Fiquei com tanto ódio que já levantei o tom de voz e perguntei se ele não tinha vergonha de tentar roubar uma pobre moça viajando sozinha que acabara de chegar de viagem. Disse também que tinha um blog e que ia fazer propaganda negativa do café dele na internet! Hahahaha! Ele rapidinho me deu meu troco e saiu com o rabinho entre as pernas...

Acho que eu sou do estilo do seu marido, no calor do momento eu tendo mais a fazer um barraco do que ficar com medo dos estelionatários!

Beijos,
Lidia.