quinta-feira, 6 de setembro de 2012

As inesquecíveis Grutas de Yungang

Nosso destino após Pequim foi a cidade de Da Tong (que merece um post só para ela, mas isso fica para mais tarde!) através de um trem noturno que nos deixou na cidade por volta das 5h30 da manhã. Levemente cansados de uma noite passada sentados no trem (já que os vagões leitos estavam completos), mas felizes da vida com o céu azul sem nenhuma nuvem, descemos na estação de trem, compramos as passagens para o nosso próximo destino, um taxista nos encontrou e negociamos um preço razoável para que ele nos levasse para realizar os passeios ao redor da cidade. Geralmente preferimos os transportes públicos, mas o cansaço, a falta de interlocutores que falem ou entendam uma das línguas que a gente fala e a cidade grande, decidimos optar pela comodidade. O taxista nos levou ao albergue (desta vez ficamos em um!) onde conseguimos tomar um banho e deixar as mochilas. Partimos para a primeira etapa da viagem: as famosas grutas de Yungang!!!
Atravessamos a cidade e cerca de 16km dali encontram-se as cavernas, em um sítio excepcional!!! São mais de 50 mil imagens budistas esculpidas nas rochas. Algumas delas fazem parte do acervo das esculturas de pedra mais antigas da China, a maioria datando dos anos entre 460 e 494. Um deles atinge 17 metros de altura!

A visita começa por esse caminho que leva ao mais recente monastério:








Tenho certeza que mesmo os viajantes mais indiferentes e cansados de visitar templos budistas, experienciarão um momento de grande descoberta e espiritualidade

Aconselho reservar no mínimo 2 horas de visita para os mais apressadinhos, nós passamos a manhã inteira explorando cada "caverna". 
O budismo entrou na China por volta do primeiro século da nossa era pela Rota da Seda, que todos estudamos na escola mas pouco lembramos, tão distantes nos parecem esses países asiáticos. 
São 21 grotas principais, dessas em que podemos entrar e com caminhos internos, mas no total são 251. Elas são todas numeradas e as mais antigas levam entre os números 16 e 20. 
Importante: observar cada escultura tanto de perto quanto de longe... O efeito é bem diferente e impressiona!

Nos locais mais abrigados ainda estão presentes traços de policromia menos ou mais intensos.
E mesmo alguns monastérios foram construídos parte da rocha. 

Algumas estátuas se encontram no interior das cavernas, outras ao exterior (devido a antigos desmoromamentos), expostas a todos os tipos de desgastos do tempo.
 Algumas estão em excelente estado de conservação, outras infelizmente estão muito deterioradas.
 O local é bem turístico mas nada de lotado, permitindo passar um momento em sintonia com o ambiente. Turistas europeus são raros (nesse dia não cruzamos nenhum, mas faz parte dos roteiros tradicionais), e o preço é levemente indigesto: 150 yuans, cerca de 20 euros por pessoa!

Visitar as grutas de Yungang é um verdadeiro momento de paz e de bem-estar. Mas acima de tudo vemos desenrolar diante de nós a história das religiões da China Antiga. Fica mais fácil entender as correntes budistas e percebemos influência hindu, as armas persas e bizantinas, o tridente grego. O toque chinês fica por conta de bodisatvas representados de forma robusta, os dragões e as criaturas celestes.


Essa visita foi mais um momento inesquecível na nossa viagem!

Recomendo a quem puder ir à China e se interessa ou admira nem que seja um pouquinho o budismo!

6 comentários:

Enaldo Soares disse...

Valeu mesmo, nunca tinha ouvido falar. É de cair o queixo. Sei apenas que durante a "revolução" cultural (1967-76) Mao e sua camarilha pretendia por abaixo todas as estátuas de Buda. Sorte a nossa que não deu tempo para tanto.

Ana Maria Brogliato disse...

Quanto lugar lindo, quanta coisa diferente... nossa, adorei seus posts sobre a China. Fiquei com muita vontade de vivenciar uma experiência assim tão diferente! Bjs
www.viagensebeleza.com

Raquel M.B.G. disse...

Fantástico!

lunna disse...

Anotando todas as dicas sobre a China!! Esse país é um dos meus sonhos de viagem!! LIndas fotos e linda viagem!!

Mulher de Fases disse...

Juro que não sabia da existência desse lugar (lá vem a sem cultura!). Estou impressionada com as esculturas. O homem é criativo mesmo e sabe usar a capacidade que tem.

Amei esse post, fiquei bem informada de mais um lugar que não conhecia.

Bjo

Milena F. disse...

Enaldo, sorte da humanidade inteira que muita coisa foi ser preservada! O príncipio deles era o de considerar a religião como o câncer de um povo, que os impedia de viver o aqui e agora... Quanta gente passando fome e todas as oferendas absurdas as divindades... Ou então, para que trabalhar para o desenvolvimento do país quando existe tanta fé de que o mais importante é o bem estar espiritual? Sem contar que a intolerância religiosa mais causou estragos ,a história dos povos do que algo positivo... Mas daí a agir com ainda mais sangue, intolerância e ódio já é outra coisa!!!

Ana Maria, fico contente de estar conseguindo passar o quando goste dessa viagem, pois sei que no Brasil ainda existe muito preconceito em relação aos chineses... Fico chocada com algumas reações principalmente de brasileiros que nunca colocaram os pés lá!!! Tudo porque "ouviram falar, ou viram no jornal". Sabe como é, o Brasil copia tudo que vem dos EUA, e a "richa" entre os dois países é de longa data... Se fosse para acreditar em tudo que "ouviram falar" e no que está no jornal, então os estrangeiros estariam certos em acreditar que o Brasil é uma "grande favela" e que todo mundo vive nesse estado de pobreza, violência, tráfico de drogas e prostituição!

Raquel e Lunna, a China tem atraçéoes para todos os gostos, desde o turismo de aventura ao turismo de luxo, um retorno ao passado e um olhar para o futuro!

Deborah, não podemos conhecer tudo sobre todos os países, não é? Até porque o que se fala da China é muito limitado... Todo mundo já deve ter ouvido falar dos guerreiros de terracota de Xi'an, mas muitos detalhes ainda são desconhecidos do grande público! Aguarde, tenho outras surpresinhas da viagem, talvez desconhecidas para muitos! Bjs