quinta-feira, 30 de outubro de 2014

O muro de Berlim

Nesse momento em que se fala tanto em erguer um muro, vamos revisar brevemente a história do Muro de Berlim.

Com o final da Segunda Guerra Mundial - ou seja, a derrota da Alemanha e vitória dos aliados (EUA, França, Inglaterra mas igualmente União Soviética) - , Berlim foi dividida em 4 setores de ocupação, um para cada um desses quatro paises, mas a URSS ficou com a metade enquanto os outros 3 paises com a outra metade (o papel da antiga URSS tendo sido decisivo nesse lado da Europa para a vitoria doa Aliados).

Porém a fragilidade das relações entre os países do ocidente e a União Soviética fez com que essa divisão se passasse bem mal. "Isolados", os moradores de Berlim Oriental passaram fome e frio (sem energia), tiveram seus meios de comunicação cortados. Em 1961 foi construído o Muro, que só foi destruído em 1989.

No início se tratava de um muro só, mas em 1972 foi erguido um segundo, mais reculado, e entre os dois um vazio com arame farpado, torres de controle, minas e cachorros. 

Porém se naquela época o muro do lado ocidental já era coberto de "grafites" (que desaparecem com o tempo), do lado oriental ele continuava cinza (como toda Berlim Oriental, aliás) para facilitar o trabalho de controle. 

Da sua estrutura original resta muito pouco.

Atualmente, a parte mais longa, de 1,3km é o que hoje se chama East Side Gallery, onde 118 artistas (street art) de 21 países diferentes foram convidados a se expressar após a queda do muro. Infelizmente esse tipo de pintura não resiste muito assim exposta ao sol, chuva e outras condições climáticas, além de sofrer muito a ação dos turistas, que por alguma razão que escapa ao meu entendimento, querem deixar uma marca nessa história da qual não participaram, não ajudaram a construir nem desconstruir.











Fico muito triste quando vejo alguém estragando o patrimônio dos outros, na verdade triste nem é a melhor palavra, pois fico realmente irada!

Também podemos visitar o Memorial do Muro, com fios de ferro onde antes se encontrava o muro e 300 metros do verdadeiro, que sobreviveu e hoje é Munumento Histórico graça ao Pastor da igreja que ali se encontrava e que foi destruída por estar muito próxima da zona limítrofe. No seu lugar foi construída a Capela da Reconciliação.

 Vista da "fresta" do muro mais recuado: o cinza do concreto




Não muito longe da Potsdamer Platz (que antes era um no man's land), outros vestígios do muro.



E o Checkpoint Charlie, local de passagem entre os dois lados, visto e revisto em tantos filmes de espionagem! Foto de um soldado russo olhando para o oeste, enquanto um soldado americano olha para o leste.


(foto presente no local)

Você tem certeza que um muro é a melhor solução para os problemas de uma nação?

4 comentários:

Vulgo Emilie disse...

Acho que é a primeira vez que fico sabendo de estrago do bem público por turistas. Que falta de respeito. E os desenhos dos muros são tão bonitos. Gostei da iniciativa de convidar artistas para pintá-los. Vestígios de um passado triste repaginados.

Milena F. disse...

Emilie, além de escrever nos muros e outros monumentos, os turistas estão com a mania ridicula de colocar cadeados em pontes e monumentos não soh de Paris quanto de outras cidades da Europa. O peso que atinge toneladas jah fez cair muitas vezes as laterais das pontes, além de estragar a parte arquitetônica das pontes e outros monumentos (sem contar que a chave é jogada no rio, vc jah pensou na catastrofe ecologica de milhões de chaves no fundo do rio???).
Sem contar o lixo que jogam em qualquer lugar. Jah reparou em Veneza os turistas comendo em qualquer lugar e deixando as embalagens de McD* no lugar onde comeram, no meio de uma praça ou mesmo ao lado de uma lixeira? Em Paris os turistas gostam de beber vinho em jardins publicos, perto da Torre ou do Rio Sena... Mas a maioria deixa o lixo no local mesmo onde bebeu/comeu...
Soh para citar alguns exemplos que vejo todos os dias, seja na cidade onde moro, seja nas cidades por onde passei :(

Eliana disse...

Berlin tem muitas caras...é uma coisa de passado e futuro andando junto, de mão dadas. Eu gostei muito da cidade e me encantei em respirar a história que eu só vi pela televisão. E há uma comoção enorme ainda, que paira no ar, em cada turista na cidade. É um lugar pra onde eu quero muito voltar! Bjs

naterradaluavirada disse...

Lindo post, só aumentou meu desejo de conhecer Berlin... Não vejo a hora de me estabilizar por aqui e poder voltar a viajar! <3

Quando estava lendo a parte em que os "turistas" estão zuando o muro, lembrei na hora de um outro post seu onde você explicava a história dos malditos cadeados... E sim, eles estão realmente por toda parte agora, até em Ottawa, a capital do Canadá, que de cidade romântica não tem nada!

Poxa, gente! Por que fazer isso? O que faz essas pessoas acharem que têm o direito de deixar a marca delas ali em um lugar que não tem nada a ver com a vida dela? Me poupe! Ou melhor, poupem os monumentos históricos e arquitetônicos! :(

Beijos,
Lidia.