quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Milão: arquitetura, arte e história

Milão não faz unanimidade, mas é uma cidade que com certeza vai conquistar os amadores de arquitetura e de "cidades". Se por um lado é a capital da moda e do design, sinônimo de criatividade, progresso e tecnologia, por outro ela soube preservar seus bairros populares, sua história, sem contar seu lado cultural riquíssimo com seus museus, exposições de qualidade e seus teatros (dentre ele o Scala, um dos mais famosos do mundo).

Quer vir comigo e ver a cidade pelos meus olhos?


Impressionada pelas 16 colunas cotintianas em mármore (antigo templo datando do século II) que se elevam diante da Basílica San Lorenzo Maggiore, cujo domo é o maior de Milão e seus mosaicos (no interior) datam da origem da construção (século IV), apesar das diversas reconbstruções do edifício como um todo.

 No centro histórico da cidade, o Duomo simboliza 600 anos de história  e de arte ! Trata-se da terceira maior igreja católica do mundo, só perdendo para São Pedro de Roma e a Catedral de Sevilha. Se a construção começou em 1386, a fachada só foi finalizada em 1813. E quanta extravagância!!!

 Sempre vi muitas fotos da fachada, mas notei que nunca tinha visto ou prestado atenção ao seu interior, que é fabuloso, diga-se de passagem. Tivemos sorte de visitar o Duomo em dias bem ensolarados, e no seu interior reinava uma luz amarelada que deixava o local com um ar misterioso e medieval.

 E quanta realidade nessa imagem de São Bartolomeu (realizada em 1562), esfolado vivo e portando a sua própria pele. Quanto talento na execução dessa obra de arte por Marco d'Agrate.
A famosa Galleria Vittorio Emanuele II, tomada pelos turistas.

E quem diria que praticamente colada à praça do Duomo, podemos admirar com toda a tranquilidade a Piazza dei Mercanti, um dos últimos resquícios medievais de Milão. Esse poço ao meio é do século XVI e a praça sobreviveu às destruições dos bombardeamentos de 1943.
E como falar de Milão sem passar por Leonardo da Vinci???
Em 1483 "Leonardo" (para os íntimos) deixa Florença para trás e vai para Milão, trabalhando para o duque Ludovic Sforza como engenheiro militar, arquiteto, pintor e escultor, permanecendo na cidade por 20 anos. Na Piazza della Scala (praça do teatro Scala) podemos ver a sua estátua. Vale lembrar que ele também era um músico espetacular.
No refeitório da igreja Santa Maria delle Grazie podemos adminar a ilustre "Santa Ceia" do artista, que infelizmente sofreu muito nos últimos 5 séculos e teve que ser restaurada muitas vezes.  Importante reservar a visita com antecedência.

O Castello Sforzesco foi uma fortaleza militar no século XIV e mais tarde residência da família Sforza na época de Leonardo da Vinci (que tinha acesso livre ao castelo, para nele testar suas experiências.

Hoje ele abriga diversos museus, e em um deles a última obra (inacabada) de Michelângelo, a Pietà Rondanini, na qual ele trabalhava poucos dias antes da sua morte.

Os antigos canais da cidade (Navigli), sobreviventes dos canais projetados mais uma vez por ele.

E um passeio pelos bairros mais afastados, longe dos turistas mas repleto de charme.


7 comentários:

Sissym Mascarenhas disse...



Milena,

Um show de cultura! O Duomo é lindo. A arquitetura de época de diferentes catedrais me fascina.

Beijos

KINHA disse...

Olá Milena

Adorei rever Milão, onde passarei novamente em Abril.

AMIGA DA MODA by Kinha

Jorge Fortunato disse...

Milena
em 2012 quase fui à MIlão, porém alguns amigos me desencorajaram...e fui para Toscana. Hoje, vendo esse post deu água na boca...
Abraços e Feliz Anovo e A bientôt!

Carla disse...

Amo Milão! e morro de saudades. Tão bom ver um post mostrando suas belezas e sua história! baci

Eliana disse...

Lugar lindo...não enche só os olhos pela beleza...é o tipo de lugar em que se renova a alma! rs Bjs

Allan Robert P. J. disse...

Quando preciso ir a Milão, vou de trem e uso o metrô. Na piazza Duomo, do outro lado da galeria Vittorio Emanuele tem uma rua. Siga por ela e pare no Panino Giusto: é provável que eu esteja por lá.

Da próxima vez, lembre-se de passar na Pinacoteca di Brera.

:)

Milena F. disse...

Sissym, também adoro a arquitetura das catedrais, são testemunhos vivos de toda uma era!!!

Kinha, sempre vejo seus posts de Milão, sempre dá vontade de ir!!!

Jorge, é justamente isso que eu quis dizer... Acredito que muita gente vai a Milão mal-preparado, vê uma ou duas ruas e aí não gosta... Mas tb lugares e viagens é tão pessoal! Cada um tem seu próprio centro de interesse!

Carla, adorei Milão, e seus posts de quando morava por lá tiveram um papel muito importante!

Eliana, revova a alma sim!!!

Allan, não conhecia o seu "panino", mas tive a oportunidade de visitar a Pinacoteca di Brera e a Ambrosiana e adorei as duas!!!
Inclusive essa última foto foi no pátio interno da "Di Brera", onde tem o Napoleão Nu (que está em restauração :( )