segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Dá para viajar para a Europa sem falar inglês?

Essa é uma das principais perguntas que me fazem, e vou falar a verdade: a maioria dos turistas aqui pela Europa não fala nada de inglês e no final tudo dá certo!

Porém não é por isso que devemos ir na cara e na coragem sem nenhum planejamento nem o mínimo de organização.

Primeira etapa, antes de viajar: 
Pesquise tudo antes, como sair do aeroporto e chegar ao hotel, como ir do hotel aos principais lugares que pretende visitar. 

Não chegue sem a mínima idéia de como ir para o Big Ben e já querendo perguntar (em português) qual metrô pegar, onde descer, isso pode atirar caras feias, pois os locais pensam direto "por que ele não se informou antes se nem entende a língua?"

Na minha primeira viagem à França, aluguei carro e pesquisei todos os trajetos via um site e imprimi tudo. Cada detalhe de sinalização, onde dobrar, tudo estava disponível e segui à risca, em nenhum momento me perdi.

Se você não gosta de planejar viagens, não tem tempo ou prefere não usa-lo para isso, as agências e consultorias em turismo servem para suprir essa demanda! Pode-se escolher um pacote completo com guia falando português, visitas e deslocamentos inclusos, ou então contratar cada serviço separadamente.

No avião:
Nem sempre as companhias aéreas estrangeiras disponibilizam funcionários em número suficiente que falem português, mesmo em vôos saindo do Brasil. 
Aprenda palavras básicas do cardápio como chicken (frango), beef (carne de gado), pasta (massa) e isso vai ajudar igualmente nos restaurantes.

No aeroporto/imigração: 
Na imigração, para evitar perguntas em inglês ou na língua do país que você não vai entender nem saber responder, tenha todos os documentos em mãos em caso de necessidade. Além do passaporte (é claro): a passagem de volta, as reservas dos hotéis (ou onde vai ficar), seguro viagem. 
Se realmente tiver um problema eles vão encontrar alguém que fale português. 
No aeroporto, basta seguir as indicações e conhecer palavras importantes, como saida (exit), porta de embarque (gate), bagagem (luggage), etc.

No destino:
Facilite sua vida, anote tudo, salve no celular ou imprima. Tenha sempre consigo o endereço (no idioma local) do seu hotel, pois caso se perca fica mais fácil encontrar alguém que entenda ou mesmo pegar um taxi. Tenha também o endereço do consulado do Brasil (para casos de real necessidade).

Use a abuse dos mapas, aplicativos e tradutores.
Se você gosta de conhecer a historia dos lugares que visita, não abra mão de um bom guia de viagens impresso ou em download, pois dificilmente vai encontrar explicações no local em português.

Nos restaurantes você pode se virar na base da mímica, mas é bom conhecer as palavras dos ingredientes básicos de qualquer cozinha, e se for alérgico ou não comer alguma coisa, também! Meu marido sempre diz "no salad" em qualquer lugar, pois ele não come salada de jeito nenhum. Pode ajudar olhar discretamente os pratos ao redor e tentar pedir o mesmo.
Aprenda a forma de pedir água, vinho, cerveja ou outra coisa que deseja beber.


Em qualquer lugar e situação:
Tente aprender as palavras mágicas do idioma local (bom dia, olá, por favor, muito obrigado, desculpa ...) 
Seja educada/o, sorria, e agradeça sempre.

Falta de educação total:
Ir falando português como se os outros tivessem obrigação de entender, ainda mais se for BEM alto, quase gritando, como vejo muitos brasileiros fazendo por aqui. Lembre-se que o morador ou trabalhador não é surdo (salvo exceções), simplesmente ele não fala e não entende o nosso português. Simples assim. (Será que se um japonês falar com você bem alto você vai entender melhor a língua dele?)

Chegar falando inglês sem perguntar antes se a pessoa fala o idioma ou ao menos dar bom dia na língua local... Se for falar inglês, faça-o inicialmente devagar e evitando palavras rebuscadas até conferir o nivel de inglês de seu interlocutor.

Conclusão: 

É possível SIM se virar sem inglês, mas é melhor pesquisar tudo antes, pois perguntar em português e esperar entender uma resposta vai ser difícil.

E sem falar inglês ou a língua do país fica difícil interagir com os locais, toda comunicação é bem limitada, assim como aprender sobre a cultura. Mas para visitar pontos turísticos e comer dá!


E você, como foi a sua experiência sem falar inglês ou o idioma local?
Quais dicas gostaria de compartilhar com a gente?

2 comentários:

Eliana disse...

Milena, eu acho importante a pessoa ter um básico de inglês...ainda mais quando visitar lugares que quer saber sobre o local, história...nem sempre é possível ler no nosso idioma.
De repente, dá sorte de se deparar com algum brasileiro que saiba dar dicas e explicar ali na hora.
As suas dicas estão ótimas pra quem pretende começar o ano viajando!
Olha Feliz Ano Novo pra vc, seu marido, muita saúde e muitos passeios!

LuRussa disse...

A pessoa quer mudar a vida, mudar de país, arrumar um emprego bom em outro país, mas JAMAIS quer passar 1 horinha por dia estudando uma outra lingua né ? é muito sacrifício.... affff... essa cultura da ignorância é de matar.
bjos querida , um lindo 2016 pra vc !