segunda-feira, 13 de abril de 2015

Château de Breteuil


A cada primavera recomeçam as visitas de castelos e outros patrimônios, sem falar dos jardins, é claro.
Na semana passada fomos visitar o castelo d'Ecouen e ontem aproveitamos par sair mais uma vez de Paris. desta vez fomos  até o final da linha do rer B (Saint-Rémy-lès-Cheveuse, cerca de 1h saindo da Gare du Nord) para conhecer melhor essa localidade por onde passamos rapidamente quando fomos visitar alguns amigos, anos atras.

Nossa primeira parada foi o Château de Breteuil, um castelo propriedade particular que sempre pertenceu à mesma familia (a familia Breteuil). 


A visita mistura 4 séculos de historia da França através de sua arquitetura do século XVII, suas peças inteiramente mobiliadas segundo às épocas e 50 personagens de cera realizados pelo museu Grévin. 

A familia Breteuil se destaca em politica desde o reino de Luis XIV. 
Mais tarde, porém antes da Revolução Francesa (1789) um outro descendente Breteuil foi ministro de Louis XVI e defendeu a familia real até o final. Um episodio importante foi a "historia do colar" da rainha Maria-Antonieta. Trata-se de um colar de 650 pedras de diamante encomendado em nome da rainha (os diamantes foram vendidos em peças separadas, um dos maiores escândalos da época). A França jah estava endividada, a rainha impopular e mesmo se com a ajuda de Breteuil conseguiu-se provar a inocência da rainha e os culpados foram descobertos, certamente esse episodio colaborou com a revolução do povo, e a morte do rei e da rainha. O povo jah não aguentava mais.
Nessa cena, Maria Antonieta estão vestidos segundo a moda da época. Para ela um vestido que pesava 12 quilos e que poderia atingir 5 a 6 metros em ocasiões especiais. Para ele, calças "curtas" (culotte, um simbolo da monarquia da época e que desapareceu com a Revolução), peruca e salto (vermelho). Muita renda igualmente para os homens.

Uma famosa réplica do colar, que pesaria 4 quilos!
Cerca de 35 anos depois, vejam como tudo mudou! Os homens jah usam calças compridas
(sentado Luis XVIII na sua cadeira de rodas).

Você jah ouviu falar de Grabrielle Emilie de Breteuil, ou a marquesa du Chatelet? Provavelmente não, mas foi uma das primeiras mulheres de Ciências da historia. Comprrendendo perfeitamente as idéias de Isaac Nexton, ela traduziu seus "Principios Matematicos" de um latim dificil para o francês, permitindo um melhor acesso aos cientistas da época. Até hoje a sua tradução é utilizada.

A familia também manteve relações estreitas com o Principe de Gales (rei Eduardo VII), a familia Churchill...
Os homens se reuniam au "fumoir" (para fumar), enquando as mulheres iam ao "boudoir". Engraçado, pois "bouder" em francês atualmente é muito utilizado para se referir as crianças, quando elas se fecham (brabinhas) e não querem mais falar. Mas uma atitude também muito comum das mulheres... 

Porém o castelo é um grande amigo das familias e das crianças: o gato de botas é um personagem de honra assim como outros contos de Charles Perrault, que manteve estreitas relações com a familia Breteuil.


Gato de Botas
 Barba Azul
Chapeuzinho Vermelho

Curiosidades:

Muita gente acha as camas antigas "curtas", mas sempre que visito um castelo os guias explicam que as camas têm exatamente o mesmo tamanho das camas atuais, porém que trata se uma ilusão de otica. Vale lembrar também que as pessoas eram mais baixas até não muito tempo atras, mesmo se habiam algumas exceções: o rei François I media mais de 1,95m, Luis XVI* mais de 1,90m. Também existe uma lenda (em nada comprovada) de que na Idade Média se dormia sentado, mas isso seria na Idade Média, ou seja, muitos séculos antes.


Esquecemos facilmente que a agua corrente não existia na época (mesmo se ela existiu na época romana, Pompéia e outras cidades antigas estão ai para provar) e que o banho era mais uma aventura. 
A agua era retirada do poço, aquecida e a banheira era em cobre. Porém o cobren que conserva o calor, se torna muito quente, por isso se cobria com um lençol para evitar as queimaduras, e a pessoa tomava banho vestida com uma espécie de camisola, pois não se podia ficar nu.

Para a visita, fomos recebidos pelo proprio Marquês de Breteuil, que fala com muita paixão do lugar e consegue nos transmitir todo o seu entusiasmo. Em seguida ele deixa os visitantes aos culdados de um dos guias, igualmente competentes. 

* A altura de Luis XIV resta um mistério. Muitas pessoas espanham a idéia de que ele era baixinho, essa lenda sendo transmitida através de uma armadura em seu nome, um presente de Veneza (mas que segundo os relatos da época, era muito pequena). Porém apos a Revolução Francesa, os relolucionarios que profanaram a sua tumba relataram a surpresa de encontrar um corpo de grande estatura.

4 comentários:

Andréa de Azevedo Freitas disse...

Parabéns pelo post, viajei no seu relato!

Eliana disse...

Eu fui visitar um Chateau com meus sogros uma vez, quando de férias peelo sul aí da França...Nossa, é muito legal...e este aí que vc postou, amei! rs

M. M. disse...

Oi, Milena!

Adorei esse passeio cultural pelos aposentos reais... E que fofo o gato de botas! As crianças devem amar mesmo visitar esse castelo em particular :)
Eu tb sempre achei que as camas das realezas eram minúsculas... "Nossa, o rei era muito baixinho", a impressão é que são camas de criança, rs! Fiquei surpresa ao saber que alguns monarcas eram muito altos.
Adoro saber essas curiosidades que nem sempre estão nos livros de História!
Ótimas fotos! Beijos!
M.
CaseiComOMundo.blogspot.com.br

Renata C disse...

Bem legal seu post, com bastante detalhes do castelo.
Vale mesmo a pena a visita.
Entretanto é importante dizer para quem vai de transporte público que o Castelo fica a quase 6 km da estação de Saint-Rémy-lès-Cheveuse. Uma bela caminhada de mais de uma hora (entre estradas na floresta e campos), só para os mais motivados.
O ônibus que vai para o castelo tem poucos horários (6 por dia), então tem que se programar. Segue o link:
http://www.parc-naturel-chevreuse.fr/baladobus-vallee-de-chevreuse.html